07 jan 2019

“D. Pedro: administrador responsável, pai presente, amigo fiel e corajoso” afirma escritor

d. pedro

O personagem da Independência do Brasil D. Pedro I sempre chamou muito a minha atenção, desde criança. Confesso que acho ele bonito e sedutor, talvez motivada pelos artistas que já interpretaram o nosso imperador na telinha da TV e no telão do cinema. Muito se fala do grito às margens do Ipiranga, do apetite sexual e do jeito impaciente, mas a história tem nos revelado muitas boas surpresas em torno do “Demonão“.

Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim é o nome completo de Dom Pedro I, nascido em 1798 no Palácio Real de Queluz, em Portugal, mesmo lugar onde faleceu em 1834 após abdicar o trono no Brasil. Mas quase duzentos anos depois de sua morte, pouco ainda se sabe do homem de personalidade complexa que se dispunha a morrer por um ideal; do pai que queria para os filhos a educação que reconhecia falhar em si próprio; do governante que foi protagonista na transição do absolutismo ao liberalismo e ao regime constitucional no Brasil.

Mais do que um homem de temperamento difícil, “D. Pedro zelava pela administração pública, conferia se os funcionários estavam trabalhando nas repartições, se os exercícios do exército estavam sendo bem executados”. As informações foram dadas pelo arquiteto, historiador e membro titular do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Paulo Rezzutti – que pesquisou durante anos as cartas e documentos inéditos. O resultado de tanta dedicação foi a publicação do livro “D. Pedro – A história não contada: O homem revelado por cartas e documentos inéditos”, da LeYa Brasil, em 2015.

A biografia escrita por Paulo Rezzutti é mais focada na vida pessoal de D. Pedro do que na sua vida política. O texto é objetivo, claro, cheio de citações de documentos, cartas e depoimentos. Percebemos claramente a admiração do autor por D. Pedro e também os anos de dedicação e estudo sobre o imperador e as pessoas ligadas a ele. Ele, inclusive, trabalhou como consultor técnico na exumação dos corpos dos primeiros imperadores do Brasil.

Conversa com Paulo Rezzutti

Adriana Santos: Como surgiu o seu interesse por pesquisas biográficas, em especial de personalidades do Império Brasileiro?
paulo4Paulo Rezzutti: Tudo começou com a pesquisa sobre a Marquesa de Santos. Conforme eu pesquisava sobre ela eu comecei a ver que determinadas coisas a respeito das demais figuras ao redor dela, como d. Pedro I e d. Leopoldina, não eram faladas. Isso me instigou a procurar saber mais sobre esses personagens.

Na sua avaliação, quais os pontos fortes e fracos de D.Pedro?

Pontos fracos: impaciente, indisciplinado, mulherengo, imaturo

Pontos fortes: administrador responsável, pai presente e responsável, amigo fiel, corajoso

D. Pedro tinha um temperamento gentil e explosivo ao mesmo tempo e sofria os males da epilepsia, além de uma sexualidade exacerbada. Ele tinha algum transtorno do ponto de vista psiquiátrico, como por exemplo, traços de bipolaridade ou depressão?

Ele era extremamente hiperativo, mas bipolar ou depressivo não consegui identificar nele. Ao contrário de d. Leopoldina que era depressiva ele não sofria desse mal.

O que a política atual deveria aprender com D. Pedro?

A ser mais responsável com a administração pública. Ele era um grande “fiscal”, como o filho, d. Pedro II. Ia ver e conferir tudo, se os funcionários estavam trabalhando nas repartições, se os exercícios do exército estavam sendo bem executados. Você notava a sua presença em diversos segmentos da sociedade. Até mesmo na conferência se o sistema métrico usado no comércio estava exato. Ele tinha, como governante, muita preocupação com o estado financeiro do Brasil. Procurava não fazer dívidas até mesmo usando o paço da cidade, atual Paço Imperial, na Praça XV, que pertencia a coroa, para abrigar repartições públicas e ficar livre de alugar imóveis para elas.

d. pedro livroAs pesquisas em torno de D. Pedro foram de alguma forma surpreendente? Se a resposta for positiva, em qual aspecto?

Todo mundo fala do homem mulherengo e a história dele parecia, para mim, acabar depois que ele saia do Brasil. Eu encontrei um homem completamente responsável com as questões pública e um pai maravilhoso, super preocupado com os filhos. Um homem muito ligado à família, mesmo com a distância das irmãs que foram para a Europa, ele nunca descuidou de manter contato ou mesmo de protegê-las quando foi possível.

Qual o mito difícil de derrubar com relação à vida de D. Pedro?

Devido ao fato de ele ter sido muito mulherengo, é absurda a quantidade de gente que diz que ele morreu de sífilis ou de outras doenças venéreas. Ele morreu de tuberculose, existe até o laudo da autópsia para comprovar. Mesmo assim o povo insiste em propagar inverdades. Outra questão foi o tal chute que ele teria dado em d. Leopoldina. Outra questão difícil de entrar na cabeça do povo que é outro mito criado.

Ainda podemos esperar mais revelações sobre D. Pedro?

Ah, sempre, acredito que a história não é estagnada, sempre podem aparecer mais documentos que revelem algum outro lado ainda desconhecido dele.

Conclusões finais

Queria agradecer o seu contato, e se possível fazer propaganda do meu canal no youtube  Toda semana eu solto um vídeo novo falando sobre pessoas e acontecimentos da história brasileira. Dou dicas de livros e filmes e quando faço alguma viagem mostro algo sobre o nosso patrimônio histórico.

16 set 2018

Gratidão, Trigueirinho! Morre um dos mais renomados espiritualistas do país

B1E279F8-EA42-496A-9462-2B7E638B1197

A vida é um mistério inesgotável de sincronicidade, um leque de oportunidades, um presente para nossa evolução espiritual. Talvez a beleza da existência está justamente naquilo que não conseguimos nomear, apenas sentir. No entanto, alguns seres humanos têm a capacidade de traduzir em palavras os sentimentos universais. São espíritos encarnados no amor,  com a missão de ampliar a nossa consciência crística planetária. Afinal, somos emanações de uma consciência suprema.  Só conseguimos alcançar o “paraíso” unidos no amor.

Ontem (15/09), senti uma necessidade incrível de ver alguns vídeos publicados no Youtube pelo Trigueirinho, espiritualista mineiro, filósofo, comunicador, autor de 81 livros publicados e um ser desperto. Acabei dormindo em alguns momentos… embalada pela voz suave de um homem octogenário. Ele me fez tão bem… Precisava descansar o meu coração.

Acordei durante a madrugada, depois de alguns sonhos ainda indecifráveis. Acessei o Twitter e me deparei com a notícia: ” Morre o escritor Trigueirinho: um dos maiores filósofos espiritualistas do país”.  A madrugada estava chuvosa em BH… Meu coração ficou apertadinho… Senti tristeza e gratidão.

… Adeus!!!

Hoje, filho, contempla no Universo um céu mais brilhante, porque uma luz retornou para a sua origem, de onde seguirá impulsionando o Projeto humano, porque sua entrega é eterna.

26 mar 2018

Livro aborda a presença consciente e inconsciente dos animais

Resultado de imagem para ANIMAIS PSIQUE 2

Os animais nos encantam por vários motivos, conscientes ou inconscientes. Motivadas pela observação de sua importância no cotidiano e na prática clínica como analistas, as autoras do livro “OS ANIMAIS E A PSIQUE abordam na publicação um rico simbolismo ligado ao asno, ao camelo, ao gato, ao golfinho, ao morcego, à raposa e ao rato. Características biológicas, detalhes sobre o habitat e dados atuais acerca desses animais dividem espaço com lendas, mitos e fatos históricos de diversos lugares do mundo – da Amazônia brasileira à Romênia, passando pelo Japão e por muitas regiões longínquas. Este livro – segundo volume de uma obra produzida ao longo de anos de pesquisa – é mais uma contribuição aos inúmeros esforços desenvolvidos por grupos que lutam pelo respeito e pela preservação de nossos companheiros animais. Nesse sentido, o leitor passa a ser conosco mais um elo dessa corrente em prol da harmonia e da saúde da vida no planeta.

Adriana Santos:  Qual é o objetivo central do livro?

Autoras (Denise Gimenez Ramos, Maria do Carmo De Biase, Maria Helena Monteiro Balthazar, Neuza Maria Lopes Sauaia, Roseli Ribeiro Sayegh, Stella Maria T. Cerquinho Malta): O objetivo central deste livro é conhecer e explorar o simbolismo animal nas mais diferentes culturas e épocas, mostrando a relação íntima e plena de significados entre a vida humana e a vida animal. Além disso, se propõe a relacionar este simbolismo à psique, uma vez que os símbolos são essenciais para sua estruturação. Neste sentido o contato com a riqueza do simbolismo animal traz a possibilidade do homem conhecer e se relacionar com sua instintividade, promovendo um equilíbrio e uma integração entre a esfera intelectual e os instintos, fundamentais para o desenvolvimento da personalidade.

Quais foram os critérios para a escolha dos animais analisados?

Nossa opção foi pesquisar os mamíferos, dada a sua proximidade com o ser humano na escala evolutiva. A escolha de cada um dos animais dependeu do interesse das autoras, sem o uso de um critério de maior ou menor importância ou popularidade dos animais eleitos. Independentemente do animal escolhido, o método utilizado para estudar seu simbolismo pode perfeitamente ser aplicado ao estudo de qualquer outro animal, dada a impossibilidade real de elencar todos os animais existentes no universo, para tal proposta de trabalho.

Qual a relação simbólica dos animais apresentados com o comportamento humano?

Simbolicamente a energia dos animais manifesta-se como diferentes forças no homem. Cada ser humano contém em si todos os animais: dentro de nós está o gato, o rato, o camelo, o golfinho … cada um exemplificando parte de várias convenções comportamentais, que podem ser encontradas nas expressões populares como “esperto como uma raposa”, “teimoso como um asno” ou “trabalhar como um camelo”.  Cada uma dessas e de outras expressões tão comuns na fala popular, retrata uma característica do animal, que corresponde a um sentimento ou a uma qualidade humana.

Qual o marco teórico do livro?

Embora o livro tenha sido escrito tendo como base teórica a Psicologia Analítica de Jung, ele é muito mais amplo já que apresenta os dados de uma enorme pesquisa qualitativa sobre os animais estudados. Para cada um dos animais são apresentados, além dos dados biológicos e etológicos já citados, uma enorme quantidade e diversidade de mitos, contos, lendas e folclore do mundo todo. Do Ocidente ao Oriente, do Norte ao Sul, da Antiguidade até os nossos dias. Nada foi desprezado, nele estão descritas histórias folclóricas da pequena ilha de Samoa, da Europa, do Antigo Egito, das tribos nativas americanas de norte a sul e em especial as brasileiras. Isto o torna um livro totalmente diferenciado, realmente uma referência.

Porque os animais estão tão presentes nas manifestações culturais e folclóricas?

Os animais, presentes na vida de todo ser humano, mesmo que não direta e objetivamente, representam uma instância importante da psique humana – a vida instintiva – tanto no plano pessoal quanto no plano coletivo. Desta forma trazem a possibilidade do homem relacionar-se, através desses símbolos, com seus aspectos instintivos, tão vitais na experiência e na vida humana. Por essa razão são frequentemente encontrados nas produções culturais dos mais variados povos, assim como nos sonhos, fantasias, na arte e em tantas outras expressões do inconsciente.

Que tipo de influência recebemos do mundo animal?

Não nos esqueçamos que pertencemos a ele e que evolutivamente estamos associados à classe dos mamíferos. Vivemos e evoluímos conjuntamente a milhares de anos. Esta interação vem sendo modificada durante toda a história da evolução em nosso planeta. Certamente mecanismos de defesa, de sobrevivência e reações instintivas da mais variada amplitude estão entre as maiores influências que recebemos. Estamos passando atualmente por mais uma transformação na relação homem/animal, a maioria de nós deixou de compartilhar o mesmo ambiente selvagem ou campestre para vivermos nos centros urbanos, mas não conseguimos nos separar deles e os trazemos para dentro de nossas casas… de nossas vidas…

Os animais analisados, qual é o mais surpreendente? Qual o motivo?

Vários deles nos revelaram aspectos surpreendentes e por vezes desconhecidos, assim como atributos presentes com muita força e relevância em seus simbolismos. Como exemplo podemos citar a dimensão da capacidade de resistência do camelo, a qualidade de guia e salvador do golfinho, a importância do morcego por eliminar insetos nocivos e seu aspecto polinizador/fertilizador, sua imagem sendo usada por muitos povos como amuletos provedores de sorte e proteção, a gratidão da raposa, a visão do rato como animal benéfico em algumas culturas, simbolizando prudência e retidão, e sendo adorado num templo na Índia e o gato preto tendo um caráter positivo nas culturas orientais.

O que é um animal de poder e qual a relação com nosso inconsciente?

O poder de um animal é conferido pela projeção de poder que o ser humano e/ou sua sociedade faz sobre ele. Esta projeção se dá de acordo com as características biológicas, etológicas ou simbólicas que damos a cada um deles. Animais fisicamente grandes e pesados, como o elefante, evocam projeções referentes principalmente a solidez, estabilidade, suporte, segurança, força e proteção. Já sobre a raposa é projetado o poder de ser esperta e astuta, não por suas características físicas, mas etológicas de conseguir sobreviver devido a sua capacidade de aguardar a melhor hora para atacar e criar estratégias para não ser pega. Estes poderes projetados sobre cada animal também estão presentes em nosso inconsciente, quando conscientes e desenvolvidos podem ser utilizados como qualidades protetoras frente a situações ameaçadoras por exemplo.

Qual a principal mensagem do livro?

A principal mensagem deste livro diz respeito à importância dos animais e do significado simbólico das caraterísticas de cada um deles para o homem, no que concerne à compreensão mais profunda da vida psíquica. Entendemos que tal compreensão promoveria uma ampliação do conhecimento de si mesmo e uma maior integração e equilíbrio no desenvolvimento da personalidade. Esta condição possibilitaria ainda ao indivíduo a consciência da importância da vida animal e da preservação da natureza para a viabilidade da vida no planeta.

Página 1 de 41234