01 out 2019

Jornalistas lançam o livro-reportagem sobre o crime ambiental em Brumadinho

REUTERS/Washington Alves

Não foi acidente. A frase pintada em cartazes de protesto logo após a maior tragédia socioambiental da história do Brasil país não estava errada. A Vale sabia dos riscos elevados de ruptura da barragem da mina de Córrego do Feijão pelo menos desde o segundo semestre de 2017 e podia ter evitado a morte de 270 pessoas e danos à bacia do rio Paraopeba.

O desastre de Brumadinho deixa um rastro documentado de negligência com a vida humana e com o meio ambiente. Agora, a história da tragédia toma as páginas de um livro-reportagem disponível no site da Editora Letramento, “Brumadinho: a engenharia de um crime”, o primeiro sobre o desastre ocorrido em 25 de janeiro de 2019.

Baseado nas investigações da Polícia Federal, a obra traz informações inéditas sobre os bastidores da investigação e o cotidiano no complexo minerário. Os jornalistas Lucas Ragazzi (Globo Minas) e Murilo Rocha (O TEMPO) foram responsáveis pela costura dessa narrativa que está documentada em relatórios internos da mineradora, trocas de e-mails de auditores externos e depoimentos de funcionários.

O jornalista André Trigueiro (GloboNews), premiado por seu trabalho na área do desenvolvimento sustentável, é quem assina a orelha da publicação. “Em se tratando da Vale, aescandalosa reincidência pós-Mariana torna o assunto indigesto para a empresa, para o lobby da mineração, e para os políticos que banalizaram os riscos em troca de favores”, escreve.

*Divulgação

17 set 2019

Suicídio é tema de debate na Assembleia Legislativa de Minas

Como parte da programação em adesão à campanha Setembro Amarelo, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) promove nesta quarta-feira (18/9/19) o encontro “Setembro Amarelo – Suicídio: é possível prevenir”. O evento, aberto ao público, está marcado para acontecer entre 19 horas e 20h30, no Teatro, e é uma parceria com a Associação Mineira de Psiquiatria (AMP) e o Centro de Valorização da Vida (CVV).

A abertura da atividade será feita pela assistente social do Núcleo de Atendimento Psicossocial (NUP), ligado à Gerência-Geral de Saúde Ocupacional (GSO), Danielle Teixeira Tavares Monteiro. Em seguida, haverá uma fala do secretário adjunto da AMP, o médico Paulo José Teixeira.

A palestra prossegue com a psicóloga do NUP, Daniela Piroli Cabral, e também com a participação da coordenadora de desenvolvimento de voluntários do CVV, em Belo Horizonte, Norma Moreira de Oliveira, e de representantes da Liga Acadêmica de Psiquiatria do Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH).

Audiência interativa – Além dessa ação, a ALMG vai promover no dia 25 de setembro, às 10 horas, no Plenarinho I, uma audiência pública interativa da Comissão de Saúde. O objetivo é debater ações de prevenção ao suicídio, em apoio à Campanha Setembro Amarelo. Na ocasião, haverá o lançamento da Frente Parlamentar de Prevenção ao Suicídio, à Depressão e à Automutilação.

Até o fim de setembro, o Palácio da Inconfidência fica iluminado na cor amarela em apoio à causa. Também estão sendo veiculadas na Sinalização Digital (Sinal) imagens da campanha cujo tema de 2019 é “Combater o estigma é salvar vidas”.

A adesão da ALMG faz parte do Laços da Consciência, que reúne ações de sensibilização sobre temas afetos ao bem-estar social dos mineiros, em especial às causas relacionadas à saúde.

Crédito: Comunicação Assembleia Legislativa

09 set 2019

Hemominas promove campanha para reforçar o estoque de sangue do grupo O

Arte: Popcorn

Por Assessoria de Comunicação Hemominas. A Fundação Hemominas conclama os doadores voluntários de sangue, especialmente os do Grupo O – negativo e positivo –, a participarem da campanha Força Tarefa Grupo O que começa nesta segunda-feira, dia 9, e prossegue até sexta-feira, 14 de setembro.

Em caráter emergencial, a campanha visa reverter a situação preocupante nos estoques desse grupo sanguíneo, principalmente o O negativo, que na última sexta-feira (6) registrou mais de 50% de queda na rede Hemominas. Dessa forma, torna-se fundamental a solidariedade e mobilização desses doadores, no sentido de comparecerem às unidades da Fundação em todas as regiões do estado e fazerem a doação de sangue, ato que salva tantas vidas. A normalização dos estoques é condição essencial para que a Hemominas possa manter o número estratégico de bolsas de sangue necessário ao atendimento da demanda de pacientes.

Durante a campanha, o atendimento preferencial será direcionado aos doadores tipo O negativo e positivo, devido à urgência do quadro. A Fundação solicita a compreensão dos demais doadores (tipos A (+/-), B (+/-) e AB (+/-), igualmente importantes, quanto a qualquer transtorno no atendimento que possa advir dessa iniciativa.

Estoques em baixa

Algumas circunstâncias explicam a baixa no estoque de alguns tipos de sangue na rede Hemominas. Entre elas, o longo período de frio no mês de agosto. Outro fator é a vacinação contra o sarampo que impede a doação por quatro semanas; nesse sentido, é importante que a doação de sangue ocorra antes da vacinação.

Vale observar que a queda maior das doações dos grupos negativos reflete a própria composição da população brasileira, uma vez que os doadores Rh negativo são em menor número do que os positivos.O sangue O negativo, conhecido como doador universal, pode ser transfundido em qualquer pessoa e, por isso, é um dos mais utilizados pelos hospitais em situações de emergência. Entre os beneficiados, estão vítimas de acidentes, transplantados e pacientes com problemas de coagulação.

Para doar sangue:

A Hemominas divulga diariamente o estoque de sangue no site www.hemominas.mg.gov.br, pelo qual a população pode agendar sua doação, podendo fazê-la também pelo aplicativo MGapp ou pela central 155 – opção 1.

Para informações sobre os critérios para doação de sangue, clique aqui.

Página 1 de 3212345... 32Próximo