Categorias
Cidade Comportamento humanização SUS

Funcionários do Hospital de Monte Azul promovem uma rifa para deixar a pediatria mais humanizada

O Hospital Nossa Senhora das Graças de Monte Azul, Norte de Minas, inaugurou, no último dia 25/01, a reforma da ala de pediatria da instituição, com o objetivo de humanizar o atendimento das crianças internadas. Ficou muito lindo!!!

Segundo o gestor do hospital, Célio André Silva Castro, a iniciativa partiu do setor de Serviço Social, por meio da mobilização das colaboradoras Alessandra Antunes Silva Brito e Elisângela Antunes Vieira. A  reforma foi possível com o apoio do Grupo de Trabalho Humanização, que envolveu todos os colaboradores do hospital. Eles promoveram uma rifa e arrecadaram doações, totalizando R$ 15.550,00.

A reforma da pediatria, que possui 05 leitos, incluiu a troca do piso, janelas, berços, leitos, banheiros e pinturas com o tema “A beleza do mar”. De acordo com o gestor da instituição, o tema foi escolhido através de uma pesquisa realizada com as crianças internadas, que escolheram o mar, retratando o acolhimento de suas ondas e seus mistérios. “É um ambiente de paz envolvido com harmonia de cores, que é o que mais temos que ter em um hospital, o acolhimento humanizado aos nossos pequenos”, afirma o administrador. Ainda de acordo com ele a arte foi feita por um profissional que reside na cidade.

O Hospital Nossa Senhora das Graças é uma instituição que oferece 90% dos seus serviços ao SUS. O hospital atende 05 municípios da região e uma população de 82.0000 a 85.000 mil habitantes. Além disso a instituição possui um Pronto Socorro 24 horas; serviços de urgência; realiza cirurgias eletivas; atendimento e exames ambulatoriais e é referência na região.

Categorias
Comportamento saúde

Poder e riscos da tireoide

Por: Adauto Versiani, Presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional Minas Gerais (SBEM-MG)

Muitos ainda desconhecem, mas a tireoide é uma importante glândula para o organismo e os problemas decorrentes de um mau funcionamento geram muitas dúvidas sobre como tratar e o que pode acontecer. A glândula tem a forma de uma borboleta e está localizada na parte anterior do pescoço, regulando a função de importantes órgãos, como o coração, o cérebro, o fígado e os rins, produzindo os hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina). A retirada pressupõe reposições hormonais para a vida inteira, sendo fundamental conhecer o essencial para manter uma boa saúde.

​ Geralmente, os problemas da tireoide ocorrem quando a glândula não funciona de maneira adequada com a liberação de hormônios em quantidade insuficiente, causando o hipotireoidismo, ou em excesso, ocasionando o hipertireoidismo. As duas situações provocam aumento no volume da glândula, conhecido como bócio. O consumo de iodo também altera o funcionamento ideal, quando em falta ou em excesso.

​ Ela é importante para adultos e também no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, alterando o peso, a memória e a regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, na concentração, no humor e no controle emocional. Por desconhecer a seriedade dos cuidados ideais, muitas pessoas possuem alguma doença ligada a tireoide e nem sabem. Só nos últimos 19 anos, o câncer da tireoide cresceu 8,8%, conforme estudo do Observatório de Oncologia.

​ Além do hipotireoidismo e hipertireoidismo, as doenças mais comuns são a de “Graves”, tireoidite e os nódulos que requerem análise e acompanhamento médico. As disfunções podem acontecer em qualquer etapa da vida e têm diagnósticos simples. Os problemas são bem recorrentes e o hipotireoidismo ocorre, normalmente, em 10% da população, sendo mais frequente em mulheres e idosos.

​ Entre as crianças, é comum algumas já nascerem com hipotireoidismo e, nesses casos, o Teste de Pezinho é fundamental para a detecção. Os tratamentos dependem de cada problema e os medicamentos para reposição hormonal já ajudam, sendo que, somente em casos mais extremos, será necessária a cirurgia.

​ A gravidez é outro tópico para atenção, pois as disfunções da tireoide acarretam problemas complexos para mãe e bebê. No começo da gestação, o feto não produz os hormônios da tireoide e, por isso, precisa usar os da mãe e, mesmo quando começa a produzir, é em quantidades insuficientes. As mulheres que já sofrem com alguma doença, devem avisar ao médico sobre a intenção de engravidar.

O reconhecimento de um nódulo na tireoide salva vidas. A palpação da glândula é de fundamental importância. A atenção deve ser redobrada se a família já tiver casos de uma dessas doenças. Quando identificado o nódulo, o endocrinologista deve solicitar exames complementares para confirmar ou descartar a presença de tumor. A recomendação para quem nunca consultou um médico especializado é manter uma alimentação balanceada e, ao menos uma vez por ano, fazer um checkup para verificar a saúde.

Categorias
acolhimento Cidade Comportamento criança saúde SUS

Domingo solidário: Movimento “Juntos pelo Heitor” mobiliza Sabará

O Movimento “Juntos pelo Heitor” está cada vez mais forte.  Heitor Junio de Pádua dos Santos, 3 anos, tem uma doença rara e precisa de medicamentos caros, além de uma dieta rica em cálcio. Com o objetivo de arrecadar dinheiro para garantir o tratamento do garotinho, domingo (8/12) foi  dia de ação, amor e solidariedade, em Sabará, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Amigos e familiares organizaram um evento solidário na Praça de Esportes da cidade. Os convidados tiveram a oportunidade de participar do Bingo Beneficente; comprar roupas, sapatos e acessórios no Bazar do Heitor e prestigiar as bandas: Fuzuê, Mistura Nossa e Swing do Tapa.    Os artistas da região também abraçaram a causa do garotinho.

“O meu filho pode ficar com os membros atrofiados e até mesmo não conseguir mais andar. Ele está perdendo precocemente os dentinhos. Heitor tem uma doença rara chamada hipofosfatasia alcalina baixa“, esclarece Adriana Fátima de Pádua, mãe do garotinho.

As doze ampolas importadas do medicamento Stresing (Astotase Alfa|), que podem oferecer mais qualidade de vida ao Heitor, custam cerca de cem mil reais por mês. A família não pode arcar com os custos; e o SUS não fornece o remédio pela rede pública de saúde. A solução foi acionar a Justiça, além de contar com o apoio dos amigos. “O processo já está nas mãos da juíza. Acreditamos na justiça. Acreditamos na solidariedade”, diz confiante a mãe do Heitor.