Categorias
adolescente ansiedade Comportamento depressão opinião

Querida Dee, como é difícil atravessar a noite escura da alma em tempos virtuais!

Reprodução/Instagram

A morte prematura da bela jovem Dazharia Shaffer, conhecida como Dee, de 18 anos, mexeu muito com as minhas emoções. Ela foi encontrada morta, na última terça-feira (09/02) em Louisiana, nos Estados Unidos. Dee era uma influencer com  1,7 milhão de seguidores na rede social Tik Tok, além de milhares de fãs no Instagram e no YouTube.

A informação sobre a morte  foi confirmada pelo pai da jovem, Joseph Santiago. Segundo a perícia, as evidências apontam para um caso de suicídio. Não tem como ficar indiferente, depois de ler uma notícia trágica sobre a morte de uma pessoa tão jovem. Sou mãe de um rapaz de 19 anos e nem consigo imaginar a dor da família diante de um caso de autoextermínio. Dee poderia ser a minha filha. Ela poderia ser a sua irmã. Você poderia ser avó ou avô da jovem. Ela poderia ser a sua melhor amiga.

Um dia antes de sua morte, Dazharia publicou uma série de Stories em seu Instagram, com o título “últimas postagens”. Tudo indica, que a Dee estava profundamente mergulhada na depressão e não conseguia administrar os próprios sentimentos, apesar da fama nas redes sociais. Como dizem por aí: “é difícil atravessar a noite escura da alma”, principalmente em tempos virtuais.

Talvez o excesso de exposição prejudicou o equilíbrio emocional da jovem influencer, que, provavelmente, já apresentava alguns traços de depressão. Afinal, uma pessoa pública também passa por situações delicadas como: comentários grosseiros, ofensas virtuais, comparações desnecessárias, assédios, cancelamentos, mentiras, ataques pessoais e, até mesmo, ameaças. Não é nada fácil manter a sensatez quando somos o alvo da vez. É mais difícil ainda atravessar a noite escura da alma, quando estamos despreparados, desamparados, perdidos e desprotegidos.

As redes sociais são formadas, na maioria das vezes, por pessoas anônimas que não conhecem a nossa verdade, apenas fragmentos de um cotidiano real ou imaginário. Geralmente, publicamos a nossa melhor versão, de preferência com muitos filtros e efeitos digitais. São fotos e vídeos impecáveis, mas que não refletem, necessariamente, o nosso estado de espírito presente.

Quem nunca publicou imagens de sorrisos e de momentos felizes no trabalho, por exemplo, quando na realidade, a nossa vontade seria socar a cara de um colega traidor? Parece bizarro, mas é o que acontece. Por isso, muitas pessoas encontram nas redes sociais um refúgio. No entanto, não percebem que, na real, entraram na toca do lobo ou que foram lançadas aos leões.

Nesses momentos, o melhor é focar no bem, no belo e no bom! Ninguém está sozinho no mundo. Muitas pessoas são gentis e querem o nosso bem. Verdade! No planetinha Terra há vários anjos sem asas que nos ajudam a atravessar a noite escura da alma. No Centro de Valorização da Vida (CVV), você vai encontrar vários deles. Procure ajuda, quando necessário. Entre em contato, pelo telefone 188 ou acesse o site AQUI

Por: Adriana Santos

Categorias
Cidade Comportamento humanização opinião saúde Saúde do Trabalhador Segurança

“Existe uma família atrás da farda”, desabafam familiares de policiais mortos no Rio de Janeiro

pm Tânia Rêgo ABr
Foto: Tânia Rêgo /Agência Brasil

OPINIÃO. Caro leitor, ontem fui dormir com um nó na garganta, depois de ler os noticiários sobre a trágica morte de Maria José Fontes, de 56 anos, mãe de mais um policial morto nas mãos de bandidos, no Rio de Janeiro.  Senti na pele o significado da palavra empatia, a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela.

O sargento Douglas Fontes Caluete estava de carro com a namorada quando foi abordado por cinco bandidos, dois deles armados com fuzis, que atiraram contra o PM ao ver que ele tinha uma arma. Dona Maria foi chamada para reconhecer o corpo e teve um mal súbito ao vê-lo morto. A Polícia Militar afirmou que ela chegou a ser socorrida na UPA, em Duque de Caxias, mas não resistiu e também morreu.

O coração de uma mãe é grande, mas não é perfeito… Ela morreu de uma síndrome do coração partido.  Não é de hoje que poetas, escritores, filósofos, psicólogos e psiquiatras nos contam casos, no mínimo curiosos, a respeito das reações que são descritas por algumas pessoas ao viverem uma grande perda afetiva.

O filho de dona Maria José Fontes é o 56º policial morto no Rio, de janeiro de 2018 até agora. Em  2017, no Brasil, foram 542 policiais mortos em serviço ou em decorrência da profissão.  Na soma de 1995 a 2017, morreram mais de 3 mil policiais militares, ou 3,52% dos 90 mil homens que, nesse período, formaram a corporação na cidade. Entre os soldados americanos que lutaram a Segunda Guerra, o índice de mortalidade foi menor: 2,52% da tropa perdeu a vida entre 1942 e 1945.

Com o objetivo de exigir que os crimes contra os policiais sejam elucidados e os bandidos devidamente punidos, familiares criaram a a Associação Somos Todos Sangue Azul.  No próximo dia 09 de junho , em Nova Iguaçu, na Via Light, em frente a loja da Leader, às 15:00 horas, esposas, mães e filhas de policiais vão estar reunidas para uma grande manifestação. Avante!

familia policia

Categorias
Comportamento saúde

Quando a vida perde o sentindo…

tristeza4

O Próximo ao Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro) o sinal vermelho acende: o número de casos é crescente no país. Segundo dados do Mapa da Violência 2017, a taxa de suicídio entre jovens de 15 a 29 sobe 10% desde 2002. Considerado um tema delicado, a conversa e orientações sobre os fatores que levam uma pessoa a cometer essa atitude e as principais indicações que isso pode ocorrer devem ser divulgados para que casos sejam evitados.

A médica e psicanalista Soraya Hissa de Carvalho explica que, por meio da observação dos casos, pode-se constatar que há certos fatores que estão relacionados a uma maior ou menor probabilidade de cometer o suicídio. “Por exemplo, as mulheres tentam mais suicídio que os homens, mas, os homens o cometem (isto é, morrem devido à tentativa) mais do que as mulheres”, afirma. Para Soraya, a idade também está relacionada às taxas de suicídio, sendo que a maioria ocorre na faixa dos 15 aos 44 anos. “Doenças físicas ou mentais, como alcoolismo, drogas, depressão, transtorno afetivo bipolar e esquizofrenia são fatores relacionados às taxas mais altas de suicídio. Além disso, uma pessoa que já tentou cometer o suicídio anteriormente tem maior risco de cometê-lo”, exemplifica.

Segundo a psicanalista, as pessoas podem tentar ou cometer suicídio por diversos motivos: numa tentativa de se livrarem de uma situação de extrema aflição para a qual acham que não há solução; por estarem num estado psicótico, isto é, fora da realidade; por se acharem perseguidas, sem alternativa de fuga; por se acharem deprimidas, achando que a vida não vale a pena; por terem uma doença física incurável e se acharem desesperançados com sua situação; por serem portadores de um transtorno de personalidade e atentarem contra a vida num impulso de raiva ou para chamar a atenção, dentre outras causas.

Soraya alerta para o fato de que o suicídio é algo que, em geral não pode ser previsto, mas existem alguns sinais indicadores de risco, e eles são: tentativa anterior ou fantasias de suicídio, disponibilidade de meios para o suicídio, idéias de suicídio abertamente faladas, preparação de um testamento, luto pela perda de alguém próximo, história de suicídio na família, pessimismo ou falta de esperança, entre outras. “Pessoas que apresentem tais indicadores devem ser observadas mais atentamente. No entanto não se pode ter certeza alguma a respeito, pois a ideia de morrer pode mudar na mente da pessoa, de um momento para outro”, justifica a psicanalista.

A médica e psicanalista aconselha que quando a preocupação sobre um risco de suicídio ocorrer em relação a uma pessoa, esta deve ser encaminhada a uma avaliação psiquiátrica para que se possa checar adequadamente o risco e oferecer um tratamento para essa pessoa. “Esse tratamento poderá ser uma internação, quando for avaliado que o risco é muito grave, ou tratamento ambulatorial (consultas regulares com psiquiatra), ocasião em que é feita uma avaliação das circunstâncias da vida da pessoa. Se ela tem uma família que possa estar presente, observando-a e fornecendo-lhe suporte, e a qual, ela própria, apesar da vontade de se matar, possa comunicar isso e pedir ajuda antes de cometer o ato”, explica Soraya Hissa.