06 dez 2019

Cauterização: entenda a técnica e aprenda a prolongar seus benefícios em casa

Arquivado em Beleza, cabelo, Comportamento

A cauterização capilar pode ajudar você a lidar com os efeitos de processos químicos, como tintura e escova progressiva, no cabelo. O procedimento pode ser a solução para deixar seus fios saudáveis.

O tratamento – feito em salão de beleza e executado por profissionais especializados – tem como objetivo principal recuperar os fios que anteriormente foram agredidos por procedimentos que modificam o cabelo.

A seguir, com a consultoria do médico e tricologista Luciano Barsanti, respondemos seis perguntas sobre o assunto.

1. Como é feita a cauterização capilar?

O procedimento começa com a limpeza do cabelo com um shampoo de limpeza profunda, que abre a cutícula dos fios. Na sequência, é aplicado um produto que contém, basicamente, queratina e silicone. Essas substâncias penetram entre as escamas, preenchendo os espaços deixados pela desidratação do processo químico realizado.

Após o produto agir, os fios são secados com secador. Para finalizar, aplica-se a chapinha. O objetivo é selar as substâncias nos fios e fechar as cutículas. É importante ter cuidado em relação à temperatura do aparelho que, quando ultrapassa 90 graus Celsius, queima os fios. Por isso é essencial realizar o procedimento com um profissional especializado.

2. A cauterização capilar é indicada para quais tipos de cabelo?

A cauterização capilar é indicada para fios muito danificados, principalmente aqueles que passaram por tratamentos químicos, como tintura, reflexo e escova progressiva.

3. Em quais casos deve ser evitada?

A cauterização capilar não deve ser feita em cabelos que passaram por outro procedimento, como tintura ou alisamento, em um prazo menor do que 30 dias. Outro cuidado é não fazer o tratamento se o couro cabeludo estiver com alguma alteração, como dermatite seborreica ou outras inflamações.

4. Quais são os principais benefícios?

A reposição do silicone e da queratina deixa os fios mais hidratados e visivelmente mais brilhantes. Além disso, a cauterização capilar diminui consideravelmente as pontas duplas e o frizz.

5. Com que frequência o tratamento pode ser feito?

Mesmo com todos os benefícios citados acima, a cauterização não reconstrói o fio que, uma vez prejudicado por uma química, não voltará a ter sua estrutura original. Por isso, a indicação é refazer o procedimento entre 45 e 60 dias, dependendo da necessidade do cabelo, que voltará, aos poucos, a ter o aspecto poroso e com frizz.

6. A cauterização capilar substitui a hidratação?

Não. Mesmo com a cauterização, é necessário manter o hábito de hidratar, pelo menos, uma vez por semana. Para isso, use produtos específicos para cabelos quimicamente danificados, como a Máscara Regeneradora, de Natura Lumina, que recupera a textura mais uniforme dos fios, reduz as pontas duplas e a quebra.

Aplique o produto pelo menos uma vez por semana, deixe agir por três minutos e enxágue. A máscara faz parte de um sistema de tratamento completo, feito para regenerar os danos.

*O especialista consultado nesta matéria pela equipe de Comunicação da Natura foi ouvido como fonte jornalística, não se utilizando do espaço para a promoção de qualquer produto ou marca.

Os produtos acima estão disponíveis no espaço digital Saúde do Meio. AQUI

 

11 nov 2019

Conheça a primeira empresa brasileira de cosméticos a receber uma Patente Verde

Divulgação

Patente foi concedida a tratamento que aproveita biomassa para criar cosméticos

A Natura se tornou a primeira empresa brasileira de cosméticos a receber uma Patente Verde, iniciativa do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) que reconhece tecnologias voltadas para o meio ambiente.

A patente foi concedida a um tratamento desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e da Natura. O procedimento aproveita a biomassa gerada a partir da extração do óleo de oleaginosas como insumos de produção da companhia.

Segundo a Natura, anteriormente, a biomassa gerada como resíduo era utilizada para compostagem de solo. Agora, ela será inserida em um novo produto a ser lançado em 2020.

A descoberta faz parte do projeto Visão de Sustentabilidade 2050 da Natura. O projeto foi apoiado pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII). O registro junto ao INPI garante à Natura exclusividade de produção e venda da inovação durante os primeiros anos.

“É uma grande conquista relacionada à economia circular, pois desenvolvemos uma técnica de uso integral de sementes da biodiversidade brasileira. O que antes virava adubo, agora gera uma oportunidade em outra cadeia produtiva”, explica Roseli Mello, diretora de Inovação da Natura.

Conheça os produtos na minha loja virtual Consultoria Saúde do Meio

27 set 2019

#ONU Natura ganha o prêmio mais importante de mudanças climáticas do mundo

A Natura é um dos ganhadores do prêmio 2019 UN Global Action Award. Concedida pela Organização das Nações Unidas (ONU), a premiação é considerada a mais importante de mudanças climáticas do mundo.  A empresa foi premiada na categoria Climate Neutral Now, que reconhece os esforços de indivíduos, empresas e governos que estão obtendo resultados reais na transição para a neutralidade climática.

“O prêmio reconhece uma jornada que a Natura tomou a decisão de trilhar, há mais de uma década, de se tornar uma empresa carbono neutro. O reconhecimento tem o poder de inspirar a adoção de ações também por outras empresas para que, no futuro, a emissão de carbono na atmosfera seja zero”, diz Keyvan Macedo, gerente de sustentabilidade.

A divulgação dos vencedores do UN Global Action Award ocorreu na na Semana do Clima de Nova Iorque, evento da ONU, na quinta-feira (26/0).  A Natura foi um dos 15 selecionados, dentre 670 projetos inscritos. Além disso, haverá reconhecimento às campeãs na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 25), em Santiago, no Chile, que acontece de 9 a 12 de dezembro.

O programa

Criado em 2007, o Programa Natura Carbono Neutro é baseado em três pilares: inventário de gases de efeito estufa (GEE) – que mede e registra todas as nossas emissões, desde a extração da matéria-prima até o descarte do produto pelo consumidor; compensação das emissões não evitadas por meio da compra de créditos de carbono de projetos certificados, e redução, que abrange nossas ações e processos para diminuí-las. Em 2013, foram reduzidos emissões relativas de GEE 33% em comparação com o ano de 2007. Segundo a empresa, a meta é seguir inovando para a redução chegar a zero em 2030.

“Temos como meta engajar toda nossa rede de Consultoras e Consultores de Beleza, colaboradores, parceiros e consumidores para o risco do aquecimento global, um problema que afeta toda a humanidade. Por isso, nossos projetos de redução são um desafio contínuo e agora queremos atingir novos compromissos”, conclui Macedo.

Página 1 de 512345