22 out 2019

Unicef: 1 a cada 3 crianças menores de 5 anos não cresce adequadamente

Imagem ilustrativa

Por Marieta Cazarré – Repórter da Agência Brasil Montevidéu. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) divulgou um novo relatório dedicado à saúde alimentar e à nutrição das crianças em todo o mundo. O documento Situação Mundial da Infância 2019: Crianças, alimentação e nutrição traz dados preocupantes, como por exemplo, que há 250 milhões de crianças sofrendo de desnutrição ou sobrepeso no mundo.

Dados de 2018 do Unicef mostram que 149 milhões de crianças menores de 5 anos sofrem de déficit de crescimento ou estão muito baixas para a idade. E 50 milhões delas estão com baixo peso para a sua altura.

Além disso, metade das crianças com menos de 5 anos (340 milhões) sofrem de fome oculta, caracterizada pela falta de nutrientes essenciais, como vitamina A e ferro, o que prejudica a capacidade de crescerem e desenvolverem todo o seu potencial. O levantamento também aponta que 40 milhões delas estão obesas ou com sobrepeso.

Atualmente, a má alimentação é o principal fator de risco para doenças. Uma dieta pobre em nutrientes mas alta em calorias é a realidade de milhões de pessoas em todo o mundo e afeta, principalmente, as populações mais pobres. De acordo com as Nações Unidas, é preciso que as crianças tenham acesso a alimentos nutritivos, seguros, acessíveis e sustentáveis.

Dados Mundiais

Entre 2000 e 2016, a proporção de crianças de 5 a 19 anos com excesso de peso aumentou de 10% para quase 20%. O sobrepeso pode levar ao aparecimento precoce de diabetes tipo 2 e depressão.

O número de crianças com crescimento atrofiado diminuiu em todas as regiões, exceto na África, enquanto o número de crianças com excesso de peso aumentou em todas as regiões, incluindo a África.

Nas áreas rurais e entre as famílias mais pobres, apenas uma em cada 5 crianças de até 2 anos de idade recebe o mínimo de nutrientes para um desenvolvimento cerebral adequado. Cerca de 45% das crianças entre 6 meses e 2 anos não consomem frutas ou legumes e 60% não consomem ovos, leite, peixe ou carne.

Apenas 40% das crianças com menos de 6 meses são alimentadas exclusivamente com leite materno. A amamentação pode salvar a vida de 820 mil crianças por ano ao redor do planeta.

Um número crescente de bebês é alimentado com fórmulas infantis. As vendas de fórmula à base de leite cresceram 72% entre 2008 e 2013 em países de renda média-alta, como Brasil, China e Turquia, em grande parte devido a propagandas inadequadas e políticas ineficientes para estimular e apoiar a amamentação.

Muitos adolescentes consomem regularmente alimentos processados: 42% bebem refrigerante pelo menos uma vez por dia e 46% consomem fast food pelo menos uma vez por semana. Essas taxas sobem para 62% e 49%, respectivamente, para adolescentes em países de renda alta.

Brasil

De acordo com o Unicef, o Brasil reduziu a taxa de desnutrição crônica entre menores de 5 anos de 19%, em 1990, para 7%, em 2006. No entanto, ainda é um sério problema para indígenas, quilombolas e ribeirinhos. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2018, a prevalência de desnutrição crônica entre crianças indígenas menores de 5 anos era de 28,6%. Os números variam entre etnias, alcançando 79,3% das crianças ianomâmis.

No Brasil, o consumo de alimentos ultraprocessados (com baixo valor nutricional e ricos em gorduras, sódio e açúcares) vem crescendo, assim como as taxas de sobrepeso e obesidade. Uma em cada três crianças de 5 a 9 anos possui excesso de peso. Entre os adolescentes, 17% estão com sobrepeso e 8,4% são obesos.

Na América Latina e no Caribe, 4,8 milhões de crianças menores de 5 anos têm desnutrição crônica (baixo crescimento para a idade), 0,7 milhão têm desnutrição aguda (baixo peso para a altura) e 4 milhões têm excesso de peso, incluindo obesidade.

21 jan 2019

Bons hábitos alimentares podem prevenir o câncer

Arquivado em Comportamento, saúde
Google

Google

*Por Luana Moreira.

Em 4 de fevereiro é celebrado o Dia Mundial do Câncer, que busca mobilizar a população e organizações mundiais sobre a importância da prevenção, diagnóstico precoce e tratamento da doença. A data criada pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC) procura ainda alertar sobre a relevância da adoção de hábitos saudáveis para se precaver e curar tumores cancerígenos, que atualmente apresentam 600 mil novos casos por ano no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer – José Alencar Gomes da Silva (INCA).

Outro dado bastante revelador é o de que a alimentação e a nutrição impróprias são classificadas como o segundo fator que influi no surgimento do câncer, mas que pode ser prevenido. As negligências alimentares são responsáveis por 20% dos casos de câncer nos países em desenvolvimento e de cerca de 35% das mortes pela doença.

Com tudo isso, o médico generalista e diretor da Clínica Penchel, Lucas Penchel, aponta que apesar do câncer, na maioria das vezes, estar relacionado a fatores como a genética, maus hábitos de vida e condições externas – como a exposição constante à radiação solar e produtos químicos; alcoolismo; tabagismo e sedentarismo –, a alimentação ainda possui um papel de grande peso tanto na proteção quanto na origem do tumor maligno.

Uma prova clara da relação entre a alimentação e o câncer é uma ação recente do governo brasileiro, que assinou um acordo com a indústria alimentícia para eliminar até o ano de 2022, a quantidade de 144 mil toneladas de açúcar presentes em 23 categorias de produtos como as bebidas adoçadas, bolos, biscoitos, produtos lácteos e achocolatados em pó.

O médico ressalta que é preciso deixar claro, que o açúcar por si só não provoca o aparecimento de tumores malignos, mas o excesso de sua ingestão pode colaborar para a eclosão de quadros de obesidade, que é uma das principais causas de 13 tipos de cânceres. “Sendo assim, não é aconselhável suspender por completo o consumo do açúcar para impedir a origem ou a manifestação de um câncer, mas sim adotar bons costumes alimentares”, recomenda.

Segundo Lucas Penchel, assim como o açúcar, outros alimentos também aumentam o risco de se ter câncer, como são os casos das comidas ultraprocessadas e com altos níveis de conservantes artificiais ou prazo de validade extenso, como os produtos vendidos em caixinha ou saquinho. “Enquanto alguns alimentos podem aumentar as probabilidades de incidência do câncer, outros podem ajudar na proteção do corpo contra a doença. O ideal é que as pessoas adotem uma dieta rica em alimentos in natura ou minimamente processados, frutas, legumes, verduras e cereais integrais. Esse tipo de atitude pode prevenir de 3 a 4 milhões de novos casos de câncer a cada ano no mundo, segundo o Inca”, orienta.

Penchel sugere que é importante dar preferência para os alimentos que venham da terra, pois, aquilo que é plantado e colhido é sempre a melhor alternativa para uma boa nutrição. “No entanto, é indispensável lembrar, que nenhum alimento é milagroso, sendo assim, para se prevenir ou tratar a doença, também é essencial procurar pelo acompanhamento profissional e aderir a uma rotina de hábitos saudáveis”, aconselha.

Por fim, o médico também adverte que o excesso de gordura corporal, principalmente na região abdominal, também é um fator que merece grande atenção. “Geralmente, as pessoas nessa condição têm seus níveis hormonais alterados e isso provoca um estado inflamatório, que pode estimular a propagação celular e inibir a morte programada das células. Com este contexto, o risco de desenvolvimento do câncer se torna acentuado. Entretanto, para afastar este fator complicador, é preciso aliar alimentação saudável e a prática de exercícios físicos regulares”, comenta.

*Jornalista. Assessoria Naves Coelho

11 jul 2018

Cacau: “presente oferecido pelos deuses aos homens”

cacau-em-po

O mundo civilizado só tomou conhecimento da existência do cacau depois que Cristóvão Colombo descobriu a América. Quando os primeiros colonizadores  chegaram no continente, o cacau já era cultivado pelos índios, principalmente os Astecas, no México; e os Maias, na América Central.

As antigas civilizações da América consideravam o cacau sagrado. Eles acreditavam que a  fruta foi um presente oferecido pelos deuses aos homens. E, de tão importante, virou até moeda de troca. Nessa época na América Latina não se fazia do cacau o que conhecemos hoje como chocolate. Era feita uma bebida de sabor amargo com as sementes torradas e moídas, misturadas com água e pimenta.

As propriedades do cacau são muitas: relaxante do sistema nervoso, antidepressivo, inibidor do apetite e regulador do sono, ativador da função cerebral e afrodisíaco.  Um estudo da Universidade de Cornell, concluiu que o cacau em pó tem duas vezes mais antioxidantes que o vinho tinto e três vezes mais que o chá verde.

O cacau é importante na produção de muitos produtos, além do mais conhecido que é o chocolate. O dia do cacau é celebrado no dia 26 de Março, sendo esta uma comemoração de uma fruta de extremo valor histórico e de grande valor nutricional.

DICA: Prefira cacau 100% orgânico, sem açúcar (vendido em lojas de produtos naturais).

Receitinha

Brigadeiro de cacau

Ingredientes:

1 lata de leite condensado (395 gramas)
1 colher (de sopa) de manteiga sem sal (20 gramas)
2 colheres (de sopa) de cacau 100% (sem açúcar)
1 pitada de sal
Confeitos para decorar (a gosto)

Modo de preparo:

Em uma panela de fundo grosso junte o leite condensado, a manteiga, o cacau e o sal. Coloque no fogo baixo e mexa sem parar, raspando principalmente as bordas da panela com uma espátula, até que desgrude da panela e chegue no ponto de enrolar. O ponto do brigadeiro é quando a massa desgruda totalmente do fundo, sem grudar na borda quando se vira a panela de lado. Deixe esfriar completamente. Passe quase nada de manteiga na palma da mão e com a ajuda de uma colher pegue um pouco da massa e faça bolinhas. Em seguida passe no confeito.

Página 2 de 6123456