16 fev 2018

Forças Armadas do Brasil têm experiência internacional com missões de paz e de estabilidade política

Arquivado em Cidade, Comportamento, opinião
HAITI

Missão de Paz no Haiti

A violência no Rio de Janeiro é a consequência de uma combinação explosiva entre corrupção, inércia do poder público e desorganização orquestrada do modelo de segurança pública. Estamos colhendo as sementes podres de criminosos e ainda mergulhados no banho de sangue de pessoas inocentes e de policiais desassistidos pelas autoridades competentes.

Dos 16 policiais que perderam a vida este ano, sete estavam de serviço, oito estavam de folga e um era reformado. Dois policiais civis também foram assassinados desde janeiro, totalizando 18 agentes de segurança mortos em 2018. Em 2017, amargamos a pior estatística de policiais assassinados.  Foram 134 PMs mortos nas mãos de bandidos que deveriam estar presos e condenados. Os policiais denunciam falta de coletes de proteção e de armamentos de maior poder de fogo, atraso nos pagamentos e viaturas insuficientes.

Durante o Carnaval, 17 mil policiais atuaram nas ruas, 43% mais que no ano passado. No entanto, presenciamos vandalismo contra o patrimônio público, arrastões, espancamentos, sequestros, mortes, além de um sentimento generalizado de indignação em todo país. O Brasil inteiro sente os reflexos da banalização da violência na maior festa popular do Brasil e uma das maiores do mundo.

Hoje acordo com a notícia que o presidente Michel Temer decreta a nomeação do general mineiro Walter Souza Braga Netto como interventor na segurança pública do estado do Rio. O texto dá plenos poderes para o general Braga Netto atuar em todo setor de segurança fluminense, ou seja, as polícias Civil e Militar e o Corpo de Bombeiros Militar. “O objetivo da intervenção é pôr termo a grave comprometimento da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro”, diz o decreto.

Braga Netto estará subordinado do presidente da República e terá plenos poderes “para requisitar a quaisquer órgãos, civis e militares, da administração pública federal, os meios necessários para consecução do objetivo da intervenção”. Além disso, segundo o texto, “exercerá o controle operacional de todos os órgãos estaduais de segurança pública previstos no Art. 144 da Constituição e no Título V da Constituição do Estado do Rio de Janeiro”.

Fui imediatamente ver a repercussão do decreto nas redes sociais. Muitos sentiram alívio, mas outros tantos questionaram que a intervenção é uma ameaça à democracia. Será? É bom lembrar que não é a primeira vez que as Forças Armadas ocupam as ruas do Rio de Janeiro. Todas as vezes, a população ficou ao lado dos militares.

As Forças Armadas do Brasil são reconhecidas internacionalmente pelas missões de paz. Os militares estiveram, por exemplo, 13 anos no  Haiti. A Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah), por uma força de caráter policial, foi  implementada em 2004 após a deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide, para tentar controlar um ambiente marcado pela violência. Até o encerramento da missão, o Brasil enviou cerca de 37,5 mil militares das Forças Armadas. Os dois últimos contingentes em 2017 foram na ordem de 1.940 militares.

A Minustah deu ainda ao Brasil destaque no cenário internacional, em especial na América Latina, como agente capaz de atuar política e diplomaticamente em missões internacionais para manutenção de paz. A tarefa da missão não era simples: as tropas da ONU deveriam tirar o Haiti do caos e estabilizar o país. Para isso teria de restaurar um ambiente democrático, assegurar a ordem pública, combater a onda de sequestros e desmobilizar as numerosas gangues e grupos rebeldes.

A permanência da Minustah conseguiu evitar uma guerra civil e reduziu os crimes com motivação política. Mesmo com as instabilidades institucionais, o Haiti realizou eleições presidenciais em novembro de 2016, vencidas por Jovenel Moise.

No Haiti, o Exército testou, em 2007, durante a pacificação da favela Cité Soleil, a maior e mais violenta do país caribenho, planos desenhados para possíveis ações em comunidades do Rio de Janeiro, e que serviram de modelo para a forma como seria a ocupação do Alemão e da Maré, que ficaram sob responsabilidade do Exército.

Nesse sentido, acho que as preocupação com relação ao futuro democrático do Brasil são infundadas e, sinceramente, são ideológicas e oportunistas.

18 jan 2018

Listinha de coisas que aprendo todos os dias com Sílvio Santos

Arquivado em Cidade, Comportamento, opinião

silvio santos blog

Sou jornalista há um pouco mais de 20 anos. Passei por importantes emissoras de televisão e rádio, inclusive o SBT de Salvador. É uma considerável trajetória, mas ainda encontro colegas que me fazem as seguintes perguntas: quem é o seu espelho profissional? Quem você gostaria de ser discípula? Não tenho nenhuma dúvida na hora de responder: Sílvio Santos. Nós temos muitos mestres na comunicação, mas o “Homem Sorriso” é doutor no assunto. Alguém duvida?

Sílvio Santos tem 87 anos e uma energia vital de principiante. Quem na posição dele criaria um perfil no Twitter (@SilvioSantos011) para trollar os apresentadores do SBT?

Ele já nasceu para brilhar. Sílvio é sagitariano do dia 12 de dezembro de 1930, e segundo a numerologia, tem a força do 1 (um), o número do pioneirismo, liderança, criatividade e personalidade. É um homem notável! Além das qualidades profissionais, o “Homem do Baú” esbanja simplicidade e bom humor.

Fiz uma listinha de coisas que aprendo com Sílvio.  Traduzi meus sentimentos, por meio de algumas frase famosas:

“Eu Sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas e sou conhecido por elas”

“Um sonho sonhado sozinho é um sonho. Um sonho sonhado junto é realidade”

“Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma, todo o universo conspira a seu favor”

“Gentileza gera gentileza”

“Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos”

“O bom humor tem algo de generoso: dá mais do que recebe”

“O topo da inteligência é alcançar a humildade”

“Ritmo de festa que balança o coração…
Festa divertida, colorida de emoção…
Dia de alegria, então sorria e vem pra cá…
A festa continua, a casa é sua, pode entrar!
Hey! Hey! Hey! Hey! Hey!
Hey! Hey! Hey! Hey! Hey!
Ritmo, é ritmo de festa!
Ritmo, é ritmo de festa!
Ritmo, é ritmo de festa!
(intermináveis vezes)”

21 jan 2017

O amor é como tartaruga demora, mas sempre chega

Arquivado em Cidade, Comportamento, opinião

lebre-e-tartaruga

Confesso que minha maior preocupação quando adolescente era encontrar meu verdadeiro amor no meio de tanta gente vazia que amava beber Coca Cola com Vodka nas festinhas da cidade. Na época, não pensava em casamento e príncipe encantado. Queria apenas um amor para dividir sonhos e contar as estrelas do céu.

No meio do caminho, encontrei vários jovens interessantes que me apaixonei enlouquecidamente. Foram momentos agradáveis, mas também fases bipolares do amor – movidas por ciúmes doentios e brigas intermináveis. Tenho saudades de cada um que passou pela minha vida. Digo sempre que estive com pessoas especiais que deixaram rastros importantes que fazem parte da minha história.

Já adulta, beirando os 30 anos, me casei. Foi uma paixão irresistível. Com ele, a vida me presenteou com um filho maravilhoso. A separação foi dolorida, traumática. Foi um período muito complicado na minha vida recheado de muitas perdas familiares e profissionais. Só fui me relacionar novamente com um homem 6 anos depois, mas o namoro também teve um ponto final. Foram 4 anos bons. Não tenho o que reclamar, mas agradecer pela pessoa decente que esteve comigo.

Hoje, já sou uma mulher na idade da loba com um filho adolescente, mas com os mesmos desejos ardentes para encontrar um amor que me acompanhe de mãos dadas os momentos mais difíceis da vida e desfrutar com alegria os momentos bons. Não quero corpos perfeitos, mentes brilhantes, profissionais renomados, gente rica e famosa… Só quero um amor que me faça rir dos próprios defeitos. Não quero gente chata dizendo: “Gata, sorria… você encontrou a metade da sua laranja”. Já não tenho estômago para amores românticos, polidos, líquidos  e politicamente corretos. Prefiro gente verdadeira, solidária, companheira, honesta e capaz de doar e receber amor. Gente que não tem vergonha de ser feliz.

Amar não é difícil. Difícil é aceitar o amor com gentileza e leveza – sem uma máquina de calcular no bolso. É aceitar que a vida tem altos e baixos para todos. Amar é ser solidário. Amar é ser companheiro. Amar é doar sem visar o retorno. Amar é entender o tempo do outro. Amar é respeitar o próprio tempo. Amar é olhar o outro com ternura, com suavidade, com beleza, com paciência. Não há amor sem paciência. A paixão é como um coelho  que entra em uma corrida com a certeza da vitória, mas às vezes nem sabe se vale a pena o esforço. A tartaruga entra na corrida bem devagar, mas sabe muito bem qual destino pretende chegar. Acredito no amor – fruto de um encontro de almas. E você? Acredita no amor?

Página 4 de 812345678