28 out 2015

Tatuadora mineira cria projeto para atender transexuais e mulheres vítimas de câncer

Arquivado em Comportamento

renata2

Alguns encontros pelo Facebook são realmente sensacionais e fortalecem a rede do bem. Um deles foi com talentosa tatuadora mineira, Renata Espinelly, 29 anos e 5 anos de profissão.

Ela anunciou em sua página pessoal que vai realizar duas tatuagens por mês, gratuitamente, para mulheres que passaram por mastectomia (retirada dos seios) por conta do câncer de mama. Mas ainda tem notícia boa. Renata também irá tatuar homens transexuais que fizeram mastectomia e que desejam cobrir a cicatriz.

Adriana Santos: Como surgiu a iniciativa de tatuar mulheres que retiraram os seios?

Renata Espinelly: Sempre tive vontade de ajudar de alguma forma alguém com o que mais sei fazer: tatuar. Então quando entramos no Outubro Rosa tive a ideia de usar a tattoo pra ajudar as vitimas do câncer.

Adriana Santos: Como as mulheres interessada podem agendar a tatuagem?

Renata Espinelly: O Agendamento é só pessoalmente, mas elas podem me procurar através da minha pagina:
https://www.facebook.com/Renataespinellytattooink/?ref=hl ou no cel: (31) 98494-5788

Adriana Santos: Quais as tatuagens (modelos) mais pedidas pelas mulheres?

Renata Espinelly: Não existe a mais pedida. A escolha vai de cada gosto. cada cliente tem um gosto diferente.

Adriana Santos: Como surgiu a ideia de tatuar os transexuais?

Tenho amigos trans que passaram pela mastectomia e vi que não fica uma cicatriz legal. Então porque não ajuda-los também!

Adriana Santos: Como os interessados podem agendar uma tatuagem?

Renata Espinelly: O Agendamento é só pessoalmente, mas elas e eles podem me procurar por meio da minha pagina ou pelo cel: (31) 98494-5788

Adriana Santos: Quais os dias para o agendamento?

Renata Espinelly: O dia do agendamento vai depender da disponibilidade do cliente.

jaguar

renata

 

06 jul 2015

Os heróis da justiça estão em tripla missão

Arquivado em Cidade

LIGA JUSTIÇA4

Sábado é dia de cinema, pipoca, diversão e solidariedade. Os heróis do Projeto Social Liga da Justiça/BH participaram de uma missão especial: sessão de cinema com a APAE. A iniciativa teve o apoio da  Rádio Transamérica. Meninos e meninas foram convidados para uma sessão exclusiva do filme “Os Minions“.

A próxima missão da Liga será no próximo domingo (12/07), no “Arraiá dos Loucos que usam Tênis” e no “Treinão” da Nova Praça da Pampulha.  Os heróis pretendem arrecadar muitas doações para o Instituto Geriátrico Afonso Pena.  “Logo depois, já partiremos para o Hospital da Polícia Militar de Minas Gerais, para visitar os verdadeiros heróis e seus familiares que se encontram internados. Neste, nossa missão será combater a tristeza daquelas pessoas que se encontram sob tratamento hospitalar. Será uma missão tripla. Mas, para os heróis da Liga, toda essa aventura já faz parte da rotina. Ajudar as pessoas, com certeza, ajuda a renovar nosso fator de cura mutante”, diz entusiasmado Daniel Bernhard, o Shazam da Liga da Justiça.

Informações:  loucosqueusamtenis@gmail.com  (Assunto: Arraiá dos Loucos) ou na página do Facebook Liga da Justiça

LIGA JUSTIÇA 3liga5justiça6JUSTIÇA7

29 jun 2015

Liga da Justiça em nova missão no Hemocentro de BH

Arquivado em Comportamento, saúde

liga da justiça

No dia 4 de julho, às 14 horas (Alameda Ezequiel Dias, 321 -Centro), os heróis da Liga da Justiça vão vão estar reúnidos em nova missão no Hemocentro de Belo Horizonte. Desta vez, as doações de sangue serão feitas em nome do Hospital Militar. O policial militar exerce uma profissão de risco e pode precisar de uma hemotransfusão a qualquer momento. Por isso, os voluntários heróis uniram as forças do bem para aumentar  o saldo de sangue da instituição. Bacana, né?

Sangue é um “remédio” diferente dos outros: não se fabrica em laboratórios, não se compra em farmácia – somente pode ser obtido por meio de doação de um ser humano a outro. E para ter sangue em estoque é necessário contar com a solidariedade humana. A todo instante, pessoas sofrem acidentes, necessitam de cirurgias de urgência, de transplantes etc. Além disso, alguns pacientes – como os aqueles que têm anemias falciformes, hemofilia e outras doenças crônicas – precisam, constantemente, de receber transfusão de sangue e hemocomponentes.

Podem doar sangue pessoas entre 16 e 69 anos. Pessoas com mais de 60 anos somente poderão doar caso já tenham realizado uma doação antes dos 60 anos, independente do sexo, e devem respeitar o intervalo mínimo de seis meses entre as doações. Saiba mais: HEMOMINAS