15 abr 2021

OVNI: o clássico caso em São Vicente

Arquivado em Cidade, Comportamento, Ufologia

 

Por Edison Boaventura Júnior, presidente do GUG – Grupo Ufológico de Guarujá – Revista Ovni Pesquisa 

No dia 1° de outubro de 1995, na cidade de São Vicente, no litoral paulista, ocorreu um pouso de OVNI que foi testemunhado por dois pescadores e amplamente veiculado pela Imprensa escrita e televisiva. Em 2013, mereceu destaque em uma reportagem no History Channel, da série Contato Extraterrestre. Este caso de 2º grau foi pesquisado, inicialmente, pelo GUG (Grupo Ufológico de Guarujá) em parceria com o extinto INFA (Instituto Nacional de Fenômenos Aeroespaciais).

Os pescadores Fernando Bezerra e Wilson da Silva Oliveira recolhiam suas redes de pesca, por volta das 23h00, quando a bordo da sua embarcação observaram assustados a aterrissagem, a poucos metros, de um OVNI fortemente iluminado, na Ilha do Major. Eles pensaram que era um balão. Porém, quando o objeto se aproximou velozmente, perceberam que estavam diante de uma nave em forma de disco voador.

“Quando a luz estava em cima de nossas cabeças, mudou de direção e foi a uma ilhota, onde pousou. Na parte de baixo do aparelho tinha luzes que giravam”, relatou Fernando Bezerra. Aterrorizado, Wilson Oliveira disse: ”Quase morri de medo. Me escondi no porão do barco”.

No momento em que o OVNI estava próximo ao barco, houve a parada do funcionamento do motor da embarcação.
“Fizemos umas dez tentativas até o motor pegar, depois saímos rapidamente dali. Pudemos ver, na fuga, que o objeto aterrissou em uma pequena ilha situada entre os meandros dos mangues do rio Piaçabuçu”, complementou Fernando.

MARCAS NO SOLO

O OVNI foi descrito como tendo uma luminosidade amarelada muito intensa e era totalmente silencioso.
Após os momentos de terror, os pescadores foram para suas casas e contaram o fato aos familiares. Não conseguiram dormir e ao amanhecer, voltaram ao local.

Ao chegarem ao local e descer do barco, percorreram uns dez metros da margem e se depararam com uma marca, uma espécie de círculo de 5,5 metros de diâmetro, onde a vegetação estava seca, amassada e nivelada, em sentido horário.

Dentro desse círculo estavam dispostas quatro marcas de sapatas de apoio retangulares, cada uma medindo 10 x 15 centímetros. Estas marcas dos trens de aterrissagem do objeto voador estavam proporcionalmente distribuídas e com afundamento no terreno de 1,5 centímetro.

Os pescadores retornaram para a cidade e comunicaram o fato aos repórteres do Jornal “A Tribuna”, de Santos, que veiculou uma matéria sobre o estranho episódio em 8 de outubro de 1995.

PESQUISAS REVELAM MAIS DADOS

O pesquisador Edison Boaventura Júnior tomou conhecimento da ocorrência por meio dos jornalistas e reuniu uma equipe interna, convidando também alguns integrantes do INFA. Durante a investigação IN LOCO foram realizadas filmagens, fotografias, medições, moldes em gesso das sapatas, coleta do solo e da vegetação, além da reconstituição do ocorrido por meio de entrevista com as testemunhas. Um desenho colorido do OVNI também foi realizado por uma delas.

Durante a pesquisa de campo, o caso foi classificado com sendo de 2° Grau, pelas seguintes características apresentadas:

Efeito mecânico: caracterizado pela marca impressa no solo e pela vegetação amassada e quebrada no local. A vegetação sofreu uma queima de luz excessiva;

Efeito EM (eletromagnético): que causou a parada de funcionamento do motor da embarcação. Em seguida, os componentes elétricos do barco, como o alternador, sofreram danos, chegando a queimar. Posteriormente, as ferramentas e as partes metálicas do barco apresentaram uma corrosão que não existia;

Efeitos fisiológicos: as testemunhas queixaram-se de irritação nos olhos e diarreia.

O solo coletado na ocasião passou por análise para verificação de possíveis alterações no pH. Todavia, não revelou nada de anormal. Mas, em alguns testes envolvendo o plantio de sementes, constatou-se, curiosamente, que nas amostras de solo obtidas dentro da marca elas germinaram facilmente, sendo que as plantadas nas amostras colhidas fora do círculo não germinaram e foram atacadas por fungos.

Na maioria dos casos de pouso investigados mundialmente, ocorre a esterilidade do solo. Porém, numa pequena parcela de casos deste tipo, ocorre o contrário, ou seja, uma super adubação no terreno.

“Uma tampinha de garrafa encontrada no local apresentou um campo eletromagnético/magnético dobrado”, disse Mário dos Santos Filho, investigador do GUG, após efetuar as medições no local.

NÃO ERAM MARCAS CONVENCIONAIS

O presidente do GUG verificou que as marcas do trem de aterrissagem do OVNI não eram idênticas. Porém, possuíam algumas semelhanças na sua geometria e o desenho interno era diferente. Este detalhe de não serem iguais foi determinante para que fosse descartada, na ocasião, a hipótese de fraude com utilização de um molde, por exemplo.

Considerando o terreno de mangue e a profundidade das marcas, calculou-se que cada sapata estaria suportando um peso de aproximadamente 25 kg. Portanto, a nave teria apenas 100 kg de peso total. Entretanto, os pesquisadores formularam a hipótese de que o OVNI seria mais pesado do que esta aferição e, ao perceber que o terreno era mole, apenas se apoiou, não colocando todo o seu peso no chão.

Ficou evidente para os pesquisadores que as marcas não eram de helicópteros ou de aeronaves convencionais. Verificou-se também que não houve acampamento no local durante aquele final de semana. O 2° Batalhão de Caçadores – que costuma promover treinamentos na mata – informou posteriormente que não esteve naquele local e muito menos ao longo do Rio Piaçabuçu. A Base Aérea de Santos foi consultada e também informou que não esteve no local na data do pouso.

ANTECEDENTES DO CASO

Durante o mês de outubro de 1995, muitos casos de avistamentos foram registrados! Houve até um caso de avistamento na Praia do Indaiá, que ocorreu no dia seguinte ao pouso, e ao longo do mês de outubro daquele ano houve várias ocorrências de luzes não identificadas na região. Mas, um caso que pode ter alguma correlação com o pouso ocorreu às 22h10 do mesmo dia, no bairro Japuí, em São Vicente, SP.

Márcio dos Santos contou que estava passando em frente à Escola Estadual Antônio Luiz Barreiros e viu sobre a escola um OVNI que flutuava e não produzia som algum. “Eram dois pratos invertidos e cúpula amarela. Na parte inferior, uma luz amarelada projetada para baixo. Possuía mais ou menos 5 metros de diâmetro. Vi dentro do muro da escola uma criatura luminosa, com macacão e botas. Brilhava muito e tinha cerca de 1 metro de altura. Parecia uma criança luminosa. Sumiu e a nave foi em direção à ponte do mar pequeno”, afirmou Márcio.

VINTE ANOS DEPOIS NÃO NASCEU MAIS MATO

Em 2015, passados vinte anos da ocorrência, Edison Boaventura Júnior foi convidado para voltar ao local e entrevistar os pescadores novamente. Juntamente com uma equipe de “A Tribuna”, chefiada pelo José Cláudio Pimentel, foram reconstituídos os fatos no local.

Duas décadas depois, a marca de pouso ainda estava lá, sem muita vegetação no local. Os pescadores confirmaram os detalhes daquele fatídico dia e disseram que a saúde deles foi afetada desde o encontro com o estranho aparelho voador. Talvez, por terem ficado expostos ao cone de luz projetado pelo OVNI. Perguntamos se eles tiveram alguma outra experiência semelhante e eles responderam que nunca mais viram algo parecido com aquele objeto não identificado.

14 abr 2020

“Operação Prato”: OVNIs que atacam a Torre de Controle

Arquivado em Comportamento, Ufologia

Membros do GUA – Grupo Ufológico de Amazônia realizaram muitas pesquisas sobre o Fenômeno Chupa-Chupa e tiveram a oportunidade de participar de uma projeção secreta de um dos filmes Super-8 obtidos na época. Esta raríssima exibição teve como palco a torre de controle do Aeroporto Internacional de Belém.

Por Jairo Costa,  Jornalista, editor, autor de “Amazônia Fantástica”, “Paranapiacaba lendas e Mitos” etc.* Publicado na Revista Ovni Pesquisa

Muito antes de Julian Assange, Edward Snowden, Chelsea Manning e Glenn Greenwald abalarem as estruturas mundiais de poder revelando para a opinião pública documentos confidenciais envolvendo vários governos do planeta, o GUA – Grupo Ufológico da Amazônia, sediado na cidade de Belém, no estado do Pará, nos idos dos anos 1980 já vazava relatórios e fotografias secretas de OVNIs produzidos pela FAB – Força Aérea Brasileira, durante a Operação Prato, entre os anos de 1977 e 1979.

Fundado dois anos após o fim da ditadura militar, em 7 de março de 1987, fruto da fusão de quatro distintos organismos de pesquisa: Grupo Ufológico do I.P.P. (Instituto Paraense de Parapsicologia), EAUP (Estudos Amadores de Ufologia do Pará), GREUFO (Grupo de Estudos Ufológicos) e BAVIC, o GUA entrou para a história mundial da Ufologia (mesmo estando longe dos grandes centros urbanos do País e em uma época pré-Internet) ao ser o primeiro grupo a realizar pesquisa minuciosa sobre as manifestações luminosas ocorridas entre o estado do Maranhão e a foz do rio Amazonas, no Pará.

Durante os vários anos de atividade o GUA atraiu atenção da comunidade de pesquisadores do Brasil e do exterior, recebendo visitas ilustres como a do renomado cientista da NASA, Jacques Vallée, do Jornalista espanhol Pablo Villarrubia Mauso e do pioneiro Reginaldo de Athayde, importante ufólogo cearense, dentre muitos outros.
Composto por estudantes, professores universitários, biólogos, engenheiros, jornalistas e profissionais liberais, com intensa pesquisa de campo, estudo aprofundado e um lastro grande de contatos na sociedade paraense, o GUA produziu uma enormidade de materiais de pesquisa e apurou quase uma centena de casos de OVNIs nos estados do Pará, Maranhão, Amapá e Amazonas.

Dentre tantas ocorrências pesquisadas, o caso do ataque ufológico a um casal de ribeirinhos é um dos exemplos dos mais significativos na época do Fenômeno Chupa-Chupa, contendo todos os elementos de violência e mistério que marcaram aquelas aparições de OVNIS desde seu surgimento.

Sílvia Mara tinha 31 anos em 1990 quando recebeu a equipe do GUA em Tapiapanema, uma comunidade isolada de pescadores, sem luz elétrica, localizada no interior da Ilha de Mosqueiro, em plena selva. Sua casa de madeira, suspensa por palafitas, típica da Amazônia, ainda era a mesma que, no dia 29 de outubro de 1977, foi invadida por um aparelho luminoso.

DUAS CRIATURAS ATACAM EM TAPIAPANEMA

Sílvia Mara, com 17 anos de idade, estava grávida de dois meses e naquela tarde de sábado repousava em uma rede com seu marido Bendito Campos Trindade, de 24 anos, próximos a uma janela. Deveria ser aproximadamente 18 horas, já escurecia quando notaram um objeto oval, com uma cor que mudava de verde para prata, emitindo uma luz através da janela, como se fosse um foco em direção ao local onde eles estavam.

“Ficamos muito curiosos em saber do que se tratava aquilo, nos levantamos e passamos a observar atentamente o aparelho quando a luz atravessou uma fresta de nossa casa e me atingiu. Na hora eu senti o corpo todo entorpecido e minha mente ficou como se estivesse entrado em um transe. Imediatamente meu marido me amparou, me levando para longe da luz.

Quando tentamos fugir, do lado de fora da casa duas criaturas de aparência indefinida surgiram portando uma espécie de lanterna. Novamente através das frestas da casa, me atingiram, desta vez no pulso. Minhas veias pareciam saltar para fora, aquele raio havia deixado o meu corpo todo intumescido. Gritando por socorro, meu marido tentou me proteger mais uma vez, me carregando para a sala.

Nessa hora, meu vizinho, José do Nascimento Sobral, que mora a uns 500 metros de casa, ouviu meus gritos e partiu em nosso apoio, disparando vários tiros de espingarda em direção aos seres, fazendo-os fugir. Rápido, meu marido me levou para a casa do vizinho José, eles tentavam me acalmar e temiam que eu perdesse o bebê. Enquanto se ocupavam comigo, o aparelho novamente apareceu, flutuando bem baixo.

Meu marido correu para a janela, onde foi atingido pelo raio luminoso, ficando momentaneamente paralisado. A luz se afastou, foi embora. Passou-se um tempo, meus familiares que estavam na sede da ilha retornaram e ao saberem da história, nos colocaram em um barco a procura de atendimento médico. Durante o trajeto, feito já em avançada hora da noite, uma luz passou a nos perseguir até o porto escadinha, na vila de Mosqueiro, quando em dado momento, lançou um jato de luz no rio, fazendo um grande barulho, desaparecendo logo depois. Fiquei internada em um hospital por dois meses, em consequência do trauma daquele dia, perdi o bebê”, contou a vítima.

Muitos vizinhos testemunharam o ataque a Sílvia. Maria Raimunda de Souza, na época com 18 anos, ouviu um som, um zumbido, como se madeira estivesse sendo cortada. Quando foi para fora de casa descobrir o que estava ocorrendo, viu sua cadela Vitória ser atingida por um feixe de luz na cabeça enquanto corria atrás de um vulto que se embrenhava na floresta.

Dias antes de terminar este artigo para OVNI Pesquisa, entrei em contato com parentes de Sílvia na Ilha do Mosqueiro, para saber notícias suas 29 anos depois de nosso contato. Sílvia Mara está viva mas, encontra-se muito debilitada, com um sério problema de saúde.

FILME SUPER-8 É EXIBIDO DENTRO DA TORRE DE CONTROLE

Além dos casos investigados, o GUA se notabilizou por ter acessado e vazado cópias (para pesquisadores e para a Imprensa) de inúmeros documentos da FAB. Porém, não conseguiu escoar um dos materiais mais polêmicos e preciosos captados durante a evolução daquele fenômeno: os famosos filmes Super-8, gravados pela equipe do 1º Comando Aéreo Regional (I COMAR) durante a Operação Prato.

Muitos duvidam de sua existência, outros apostam que são uma lenda, mas nós tivemos acesso a um destes filmes no final dos anos 1980 e, podemos afirmar que são incríveis e tão reais quanto o próprio fenômeno.

Nossa película chegou até o GUA por meio de um parente de um dos integrantes do grupo e, foi projetado para parte da nossa equipe dentro das instalações da torre de controle de tráfego aéreo do Aeroporto Internacional de Belém, sede na época do (hoje extinto) DPV – Departamento de Proteção ao Vôo, vinculado ao CINDACTA.

Civis e militares estavam na torre de controle, na sala de radar, naquela noite. O filme que não tinha indicação do local e data de onde fora gravado, mas que provavelmente tenha origem na Baía do Sol ou em Colares exibia um entardecer em praia amazônica, mostrando várias sondas ufológicas evoluindo de forma coordenada.

O que o filme exibia, apesar de um pouco trêmulo e baixa resolução, era uma frota grande de objetos se agrupando e se dispersando, interagindo, com luzes brancas constantes, às vezes oscilantes, com um indiscutível padrão inteligente de movimentação. Naquela noite eu pedi para que se projetasse o filme várias vezes.

Após cada exibição, nós analisávamos as imagens, levantávamos possibilidades, refutávamos teses e seguíamos projetando, projetando e projetando por horas até chegarmos a uma conclusão de que ali estava um assustador e autêntico registro do Fenômeno OVNI, captado pelos militares da Operação Prato.

A película em si tinha poucos segundos de duração, talvez um minuto, sendo que na época os filmes Super-8 tinham duração entre 2 e 3 minutos e meio, podendo ser gravados na versão profissional, utilizando 24 quadros por segundo e a versão amadora, de 16 frames por segundo, com perfuração em apenas um dos lados, sem banda magnética para a captação de som.

O tamanho original da película é ignorado, pois o Super-8 antes de chegar às nossas mãos foi cortado em duas ou três partes e distribuído para outras pessoas. Nosso filme também tinha um remendo com fita adesiva.
Quando ensaiamos um movimento de tentar realizar uma cópia do filme para poder divulgar ao grande público, as partes que detinham a posse do material o recolheram novamente.

Passada aquela exibição extraordinária no Aeroporto de Belém, outros materiais como relatórios e fotos chegaram até nossas mãos, sendo encaminhados para a divulgação pública. Novos filmes também chegaram até alguns integrantes do GUA, que conseguiram vazar se não o conteúdo todo, vários de seus fotogramas captados por militares e civis durante a Operação Prato. Hoje, mais de 40 anos depois do fim da onda ufológica que abalou a Amazônia, esforços constantes ainda tentam trazer ao conhecimento público os fantásticos filmes do Chupa-Chupa. Um dia eles serão revelados!

(Artigo elaborado em memória de Luís Pires, fotógrafo, membro fundador do GUA, falecido em novembro de 2018)