09 set 2019

Hemominas promove campanha para reforçar o estoque de sangue do grupo O

Arte: Popcorn

Por Assessoria de Comunicação Hemominas. A Fundação Hemominas conclama os doadores voluntários de sangue, especialmente os do Grupo O – negativo e positivo –, a participarem da campanha Força Tarefa Grupo O que começa nesta segunda-feira, dia 9, e prossegue até sexta-feira, 14 de setembro.

Em caráter emergencial, a campanha visa reverter a situação preocupante nos estoques desse grupo sanguíneo, principalmente o O negativo, que na última sexta-feira (6) registrou mais de 50% de queda na rede Hemominas. Dessa forma, torna-se fundamental a solidariedade e mobilização desses doadores, no sentido de comparecerem às unidades da Fundação em todas as regiões do estado e fazerem a doação de sangue, ato que salva tantas vidas. A normalização dos estoques é condição essencial para que a Hemominas possa manter o número estratégico de bolsas de sangue necessário ao atendimento da demanda de pacientes.

Durante a campanha, o atendimento preferencial será direcionado aos doadores tipo O negativo e positivo, devido à urgência do quadro. A Fundação solicita a compreensão dos demais doadores (tipos A (+/-), B (+/-) e AB (+/-), igualmente importantes, quanto a qualquer transtorno no atendimento que possa advir dessa iniciativa.

Estoques em baixa

Algumas circunstâncias explicam a baixa no estoque de alguns tipos de sangue na rede Hemominas. Entre elas, o longo período de frio no mês de agosto. Outro fator é a vacinação contra o sarampo que impede a doação por quatro semanas; nesse sentido, é importante que a doação de sangue ocorra antes da vacinação.

Vale observar que a queda maior das doações dos grupos negativos reflete a própria composição da população brasileira, uma vez que os doadores Rh negativo são em menor número do que os positivos.O sangue O negativo, conhecido como doador universal, pode ser transfundido em qualquer pessoa e, por isso, é um dos mais utilizados pelos hospitais em situações de emergência. Entre os beneficiados, estão vítimas de acidentes, transplantados e pacientes com problemas de coagulação.

Para doar sangue:

A Hemominas divulga diariamente o estoque de sangue no site www.hemominas.mg.gov.br, pelo qual a população pode agendar sua doação, podendo fazê-la também pelo aplicativo MGapp ou pela central 155 – opção 1.

Para informações sobre os critérios para doação de sangue, clique aqui.

04 set 2019

Restrições a doações de sangue são consideradas discriminatórias?

Arquivado em Cidade, Comportamento, saúde

Blog Pequena Mila

Debater as restrições à doação de sangue, consideradas discriminatórias e violadoras de direitos humanos, previstas pela Portaria 158/16, do Ministério da Saúde, e os prejuízos para a população mineira. Esta é a finalidade da audiência pública que a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realiza nesta quarta-feira (4/9/19), às 15h30, no Plenarinho II.

Segundo o presidente da comissão e autor do requerimento de reunião, deputado Cristiano Silveira (PT), as limitações impostas pela portaria implicam em sérias violações de direitos humanos. As medidas obedeceriam aspectos morais, em vez de questões de segurança sanitária. “O artigo 64, por exemplo, prevê a impossibilidade de doação de sangue por homens que tiveram relações sexuais com outros homens”, afirmou.

O parlamentar ressalta que os dados mais recentes mostram que a taxa de infecção em homens que mantêm apenas relações com mulheres é a que mais cresce. “Como há procedimentos de controle para todas as doações, a restrição com base em práticas sexuais não parece ser fundamentada em argumentos científicos, configurando apenas discriminação e preconceito”, avalia.

Além desse aspecto, Cristiano Silveira aponta que a restrição implica na perda de grande volume de sangue que poderia beneficiar centenas de mineiros. “É necessário repensar a forma como as atuais vedações são aplicadas, atuando-se para evitar violações nos direitos fundamentais de grupos socialmente vulneráveis”, diz.

Transmissões ao vivo – Todas as reuniões do Plenário e das comissões são transmitidas ao vivo pelo Portal da Assembleia. Para acompanhá-las, basta procurar pelo evento desejado na agenda do dia.

Crédito: Assessoria de Imprensa da Assembleia Legislativa de Minas Gerais

30 nov 2017

Animais também podem ser doadores de sangue

sangue-1024Doar sangue é um ato de solidariedade. Quando estamos doentes, é gratificante encontrar uma pessoa disposta a oferecer sangue. Mas não são só os humanos que necessitam de atenção e dedicação. Em diversos casos, animais também precisam fazer transfusão de sangue e, para isso, requerem doadores.

No entanto, achar animais que podem doar não é uma tarefa simples. Muitas vezes, quando é encontrado um doador compatível, os proprietários –  por falta de informação – ficam receosos em permitir que seus animais doem sangue, com medo de eles sofrerem ou de aparecer algum efeito colateral.

Mas a coleta, quando feita da forma correta, ocorre de maneira cuidadosa e obedece a uma série de critérios. Ela dura cerca de 10 minutos e são colhidos, em média, 450 ml por animal. A saúde e o bem estar do doador são preservados durante o processo, de forma que o animal não se machuque ou sinta dor, nem tenha a saúde prejudicada.

A transfusão de sangue, também chamada hemoterapia, é indicada para pacientes em diferentes condições de saúde, como anemia, hemorragia, coagulopatia e hipoproteinemia. Para atendimento aos hospitais veterinários, existem bancos de sangue canino que fazem coletas em animais saudáveis para disponibilidade no caso de emergências médico-veterinárias.

Um exemplo é o Laboratório Clínico Veterinário da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu (SP). A equipe oferece o serviço de coleta em casa, com agendamento, participa de feiras e promove mutirões ou campanhas específicas para alavancar o número de doações.

Criado em 2009, o banco de sangue consegue, em média, coletar 25 bolsas ao mês. “É um volume que está abaixo das nossas necessidades, mas que é crescente devido à maior divulgação da existência do banco de sangue”, afirmou em entrevista à Revista CFMV a médica veterinária Regina Takahira, do Departamento de Clínica Veterinária da Unesp.

Perfil dos doadores

Para ser doador, o cão precisa estar com o calendário de vacinação em ordem, ter no mínimo 25 kg e idade entre um e oito anos. Ele passa por exames clínicos e colheita de exames laboratoriais para atestar a sanidade. Também é verificado se o animal tem perfil doador, ou seja, se é calmo e tranquilo, para que a coleta traga o menor trauma possível.

O tempo mínimo recomendado entre doações para um mesmo animal é de dois meses. Contudo, pesquisas já mostram que em casos de emergência um cão pode sofrer doações em intervalos de 15 dias sem danos à sua saúde. Também há a possibilidade de acelerar a recuperação dos animais por meio da suplementação de vitaminas e minerais.