Categorias
acolhimento Cidade Comportamento criança humanização Mamãe saúde SUS

Zé Gotinha: Exemplo de comunicação em saúde pública no Brasil

Zé Gotinha já é um “balzaquiano. Como amo o Zé! São 35 anos de muitas histórias boas para contar. O eterno garotão foi criado, em 1986, durante o governo de José Sarney, no primeiro mandato democrático após a terrível Ditadura Militar. O personagem mais amado do Brasil foi idealizado pelo artista plástico, Darlan Manoel Rosa.

A iniciativa foi parte da soma de muitos esforços de uma bem sucedida campanha de vacinação contra o vírus da poliomielite, criada pelo Ministério da Saúde e apoiada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Seu principal objetivo era tornar as campanhas de vacinação mais atraentes para as crianças. Por isso, o nome Zé Gotinha foi escolhido, democraticamente, por meio de um concurso promovido pelo Ministério da Saúde, envolvendo alunos de escolas de todo o Brasil.

O personagem também é “convocado” para outras missões, no sentido de alertar sobre a prevenção de doenças, como, por exemplo, sarampo.

Pensando aqui com os meus neurônios já cansadinhos de tanto pensar sobre estratégias de comunicação…

Qual a razão da falta de investimento em projetos coletivos que incentivam a comunicação nas campanhas de saúde pública?

Por que as assessorias de comunicação das instituições governamentais preferem nomear assessores que desconhecem os princípios da mobilização social ou desconhecem o próprio sistema de saúde pública (SUS)?

Enfim, as considerações finais são apenas um desabafo sincero de uma comunicadora que sente falta das boas iniciativas de comunicação e saúde pública.

Vida que segue… sempre na esperança da criação de novos personagens ou estratégias de comunicação mais eficientes.

 

Categorias
Comportamento criança Genética saúde

Reprodução Assistida: saiba mais sobre mitos e verdade

Fertilização in vitro (Foto: Getty Images)

Por: Sócio-diretor da Clínica Vilara, Marco Mello:

Os tratamentos para reprodução humana começaram em 1978, na Inglaterra e, desde então, apresentam importantes avanços para os casais que encontram dificuldades para ter filhos. Conforme dados da Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida (REDLARA), mais de 83 mil bebês brasileiros nasceram por meio de algum tratamento, sendo que a fertilização in vitro e a inseminação artificial representam mais 53% dos procedimentos, enquanto a transferência de embriões congelados, 32%, entre 1990 e 2016.

No entanto, mesmo com mais de quarenta anos de estudos e descobertas positivas, além do alto índice de nascimentos por reprodução assistida, vários mitos, dúvidas e incertezas surgem no momento da procura por esse recurso.

Antes de qualquer tratamento, é imprescindível acesso a conhecimento, considerando a dificuldade de muitos casais de engravidarem, somada às inverdades e hesitações e a necessidade de sanar esse impasse. Abaixo, seguem três mitos e três verdades sobre a reprodução assistida:

Em qualquer tratamento de reprodução humana, a chance de engravidar é 100%

Mito. Nenhum tratamento garante sucesso pleno, porque cada paciente apresenta sua particularidade, como idade e saúde dos gametas. A fertilização in vitro, por exemplo, atinge números entre 40% e 50% de percentual de êxito. Já, a inseminação artificial, uma média de 20%.

Existe método sem ingestão hormonal do paciente

Verdade. A criopreservação de espermatozoides, ou seja, o congelamento do gameta masculino, não necessita de tratamento hormonal. A utilização desse método é indicada para homens que passarão por quimioterapia e querem ter filhos, antes da vasectomia e de cirurgia na próstata.

Uso de hormônios é prejudicial à saúde

Mito. Quando o tratamento é acompanhado por um especialista, seguindo os protocolos recomendados, as chances do tratamento hormonal impactar negativamente a saúde é mínimo.

A sexagem é permitida no Brasil

Verdade. O diagnóstico genético pré-implantação para identificação do sexo dos embriões para transferência é permitida no Brasil, mas, somente para casos de diagnósticos de doenças genéticas ligadas aos cromossomos sexuais.

Existe “barriga de aluguel” no Brasil

Mito. De acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM), existe a possibilidade da gestação por meio do útero de substituição, somente por “barriga solidária”, ou seja, sem fins comerciais. A possível gestante deve possuir grau de parentesco de até 4° grau com uma das partes do casal, caso contrário, é necessário ajuizar uma ação no CFM.

É possível identificar falha cromossômica, antes da implantação dos gametas

Verdade. É a técnica de reprodução assistida mais recente que existe. São duas as técnicas mais utilizadas: PGT-A, que serve para a pesquisa de anomalias cromossômicas numéricas e o PGT-M, para o estudo de mutação genética presentes em doenças monogênicas.

Uma consulta com especialistas em tratamentos de reprodução assistida é fundamental para esclarecer todas as dúvidas e tranquilizar o casal. O profissional indicará o procedimento mais adequado e o acompanhamento necessário.

Categorias
Comportamento saúde

Vamos falar sobre incontinência urinária

Divulgação

Por: Dr. Renato Teixeira Mascarenhas*

Quatorze de março é o dia mundial da conscientização sobre a incontinência urinária. Definida como a perda involuntária de urina, acomete 45% das mulheres e 15 % dos homens com mais de 40 anos, segundo estudo realizado no Brasil.

Apresenta-se de forma diversificada, desde perdas leves e esporádicas de urina até perdas iminentes e abundantes, trazendo a necessidade do uso de absorventes e até de fraldas. Muitas vezes relevada, seja por conformismo ou mesmo vergonha, pode causar impacto significativo na qualidade de vida do indivíduo, com repercussões na sua higiene e saúde.

Dermatites causadas pelo contato da urina com a pele são frequentes. Distúrbio do sono causado por idas constantes ao banheiro durante a noite favorecem o cansaço crônico, quedas em populações mais idosas e predispõe a doenças como hipertensão arterial, dentre outras.

É comum notar uma significativa redução na ingestão de líquidos em portadores de incontinência, sob o raciocínio equivocado de que produzir menos urina implica menor perda. A desidratação crônica poderá desencadear outras consequências para a saúde. Ansiedade, piora da autoestima, diminuição da atividade sexual e depressão são condições que poderão se instalar a partir de um quadro de incontinência.

Há, também, o impacto social. O afastamento de amigos e família pode ocorrer devido ao constrangimento de perda urinária em público ou a preocupação com o eventual odor de urina exalado pela roupa.

Idas e vindas a qualquer lugar ficam restritas aos locais que apresentam banheiros acessíveis no trajeto.

Mais que um problema do indivíduo, trata-se de um problema de saúde pública. Provavelmente, milhões de reais são gastos por ano no Brasil por tudo que envolve a incontinência urinária, desde a aquisição de fraldas geriátricas e medicamentos, até a realização de eventuais cirurgias para o tratamento, fato que, em janeiro de 2020, o senado brasileiro realizou uma sessão especial para discussão sobre o tema.

Existem vários tipos de incontinência urinária, dependendo dos fatores causais, sendo mais frequentes a incontinência por esforço, a incontinência por urgência, além da incontinência mista.

Na incontinência por esforço, a perda urinária ocorre quando o indivíduo ri, tosse, espirra ou caminha. Nas mulheres, a causa está relacionada, principalmente, à fraqueza dos músculos pélvicos que sustentam a uretra e a bexiga; nos homens, por outro lado, tal condição é mais comumente relacionada a problemas relacionados à próstata.

Na incontinência por urgência, ocorre uma vontade súbita de urinar em decorrência de contrações inesperadas da bexiga. O principal fator causal é o envelhecimento, embora tal quadro possa ser notado eventualmente em indivíduos jovens saudáveis.

Finalmente, o tipo misto que engloba as características dos dois tipos de perda urinária anteriormente descritas.

Dentre os fatores de risco para o desenvolvimento da incontinência estão a idade, obesidade, tabagismo, ingestão excessiva de cafeína, diabetes, doenças neurológicas, dentre outros.

No caso das mulheres, o número de gestações, tipo do parto e história de cirurgia do útero são relevantes. Nos homens, frequentemente, as doenças da próstata estão associadas a perda urinária.

O tratamento deverá ser orientado por um médico urologista com avaliação histórica do quadro, exame físico e, eventualmente, alguns poucos exames e testes a fim de se diagnosticar o tipo da incontinência, sua intensidade e fator causal.

Mudanças de hábitos, fisioterapia, medicamentos e eventualmente cirurgias poderão ser indicadas, caso a caso. Com o tratamento adequado, a melhora e até a cura são observadas em mais de 80% dos casos.

Fica o conceito de que a perda urinária pode afetar (e muito) a qualidade de vida. Então, se você é portador de incontinência urinária ou conhece alguém que seja, a hora é de atitude!

No ano 1 d.C., Sêneca, filósofo romano, conselheiro de César, imperador de Roma, escreveu: “Não importa o quanto viveremos, mas a qualidade de vida que teremos”.

  • Urologista do Corpo Clínico do Biocor Instituto, Membro titular da sociedade brasileira de urologia, mestre em ciências da saúde pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, coordenador do departamento de urologia feminina da Sociedade Brasileira de Urologia, seção MG