09 jan 2019

Santa Casa de BH: Hospital pioneiro na capacitação de funcionários na língua brasileira de sinais

Arquivado em Cidade, Comportamento, cursos, saúde

sinaisO maior hospital filantrópico de Minas Gerais deu mais um passo importante no acolhimento às pessoas com deficiência (PCDs). Para estimular a educação inclusiva, a instituição iniciou a primeira turma do curso de Libras – Língua Brasileira de Sinais – para seus funcionários. A iniciativa pioneira foi possível graças à apro­vação de um projeto no Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS/ PCD) em 2017. Com duração de 60 horas, a capa­citação tem o objetivo de preparar os profissionais, ampliar as possibilidades de inclusão de PCDs e criar ambientes acessíveis.

A primeira turma – formada por 30 alunos das áreas assistenciais e de atendimento ao público – se encerra no dia 16/01. As aulas são ministradas pelo professor Marlon Loureiro Ulhoa, da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis), nas terças e quartas-feiras, das 14 às 18 horas. Em 2019, serão ofere­cidas mais seis turmas, capacitando 180 alunos. Deste total, 70 são funcionários da Prefeitura de Belo Horizonte.

De acordo com a superintendente de Recursos Humanos da instituição, Clarinda Maria de Macedo, o curso está indo além do cumprimento da legislação: “percebemos o interesse dos participantes em aprender e multiplicar esse conhecimento, permitindo que mais profissionais olhem para as pessoas com deficiência de forma igualitária, inclusiva e sem preconceito. Com isso, a Santa Casa BH também cumpre o seu papel de humanização”.

07 jan 2019

“D. Pedro: administrador responsável, pai presente, amigo fiel e corajoso” afirma escritor

d. pedro

O personagem da Independência do Brasil D. Pedro I sempre chamou muito a minha atenção, desde criança. Confesso que acho ele bonito e sedutor, talvez motivada pelos artistas que já interpretaram o nosso imperador na telinha da TV e no telão do cinema. Muito se fala do grito às margens do Ipiranga, do apetite sexual e do jeito impaciente, mas a história tem nos revelado muitas boas surpresas em torno do “Demonão“.

Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim é o nome completo de Dom Pedro I, nascido em 1798 no Palácio Real de Queluz, em Portugal, mesmo lugar onde faleceu em 1834 após abdicar o trono no Brasil. Mas quase duzentos anos depois de sua morte, pouco ainda se sabe do homem de personalidade complexa que se dispunha a morrer por um ideal; do pai que queria para os filhos a educação que reconhecia falhar em si próprio; do governante que foi protagonista na transição do absolutismo ao liberalismo e ao regime constitucional no Brasil.

Mais do que um homem de temperamento difícil, “D. Pedro zelava pela administração pública, conferia se os funcionários estavam trabalhando nas repartições, se os exercícios do exército estavam sendo bem executados”. As informações foram dadas pelo arquiteto, historiador e membro titular do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Paulo Rezzutti – que pesquisou durante anos as cartas e documentos inéditos. O resultado de tanta dedicação foi a publicação do livro “D. Pedro – A história não contada: O homem revelado por cartas e documentos inéditos”, da LeYa Brasil, em 2015.

A biografia escrita por Paulo Rezzutti é mais focada na vida pessoal de D. Pedro do que na sua vida política. O texto é objetivo, claro, cheio de citações de documentos, cartas e depoimentos. Percebemos claramente a admiração do autor por D. Pedro e também os anos de dedicação e estudo sobre o imperador e as pessoas ligadas a ele. Ele, inclusive, trabalhou como consultor técnico na exumação dos corpos dos primeiros imperadores do Brasil.

Conversa com Paulo Rezzutti

Adriana Santos: Como surgiu o seu interesse por pesquisas biográficas, em especial de personalidades do Império Brasileiro?
paulo4Paulo Rezzutti: Tudo começou com a pesquisa sobre a Marquesa de Santos. Conforme eu pesquisava sobre ela eu comecei a ver que determinadas coisas a respeito das demais figuras ao redor dela, como d. Pedro I e d. Leopoldina, não eram faladas. Isso me instigou a procurar saber mais sobre esses personagens.

Na sua avaliação, quais os pontos fortes e fracos de D.Pedro?

Pontos fracos: impaciente, indisciplinado, mulherengo, imaturo

Pontos fortes: administrador responsável, pai presente e responsável, amigo fiel, corajoso

D. Pedro tinha um temperamento gentil e explosivo ao mesmo tempo e sofria os males da epilepsia, além de uma sexualidade exacerbada. Ele tinha algum transtorno do ponto de vista psiquiátrico, como por exemplo, traços de bipolaridade ou depressão?

Ele era extremamente hiperativo, mas bipolar ou depressivo não consegui identificar nele. Ao contrário de d. Leopoldina que era depressiva ele não sofria desse mal.

O que a política atual deveria aprender com D. Pedro?

A ser mais responsável com a administração pública. Ele era um grande “fiscal”, como o filho, d. Pedro II. Ia ver e conferir tudo, se os funcionários estavam trabalhando nas repartições, se os exercícios do exército estavam sendo bem executados. Você notava a sua presença em diversos segmentos da sociedade. Até mesmo na conferência se o sistema métrico usado no comércio estava exato. Ele tinha, como governante, muita preocupação com o estado financeiro do Brasil. Procurava não fazer dívidas até mesmo usando o paço da cidade, atual Paço Imperial, na Praça XV, que pertencia a coroa, para abrigar repartições públicas e ficar livre de alugar imóveis para elas.

d. pedro livroAs pesquisas em torno de D. Pedro foram de alguma forma surpreendente? Se a resposta for positiva, em qual aspecto?

Todo mundo fala do homem mulherengo e a história dele parecia, para mim, acabar depois que ele saia do Brasil. Eu encontrei um homem completamente responsável com as questões pública e um pai maravilhoso, super preocupado com os filhos. Um homem muito ligado à família, mesmo com a distância das irmãs que foram para a Europa, ele nunca descuidou de manter contato ou mesmo de protegê-las quando foi possível.

Qual o mito difícil de derrubar com relação à vida de D. Pedro?

Devido ao fato de ele ter sido muito mulherengo, é absurda a quantidade de gente que diz que ele morreu de sífilis ou de outras doenças venéreas. Ele morreu de tuberculose, existe até o laudo da autópsia para comprovar. Mesmo assim o povo insiste em propagar inverdades. Outra questão foi o tal chute que ele teria dado em d. Leopoldina. Outra questão difícil de entrar na cabeça do povo que é outro mito criado.

Ainda podemos esperar mais revelações sobre D. Pedro?

Ah, sempre, acredito que a história não é estagnada, sempre podem aparecer mais documentos que revelem algum outro lado ainda desconhecido dele.

Conclusões finais

Queria agradecer o seu contato, e se possível fazer propaganda do meu canal no youtube  Toda semana eu solto um vídeo novo falando sobre pessoas e acontecimentos da história brasileira. Dou dicas de livros e filmes e quando faço alguma viagem mostro algo sobre o nosso patrimônio histórico.

03 jan 2019

Idosos devem ficar atentos aos cuidados da pele

idoso5

Imagem Google

Por: Teresa Noviello, dermatologista membro da SBD e diretora da Clínica Teresa Noviello

O processo de envelhecimento humano provoca um grande número de mudanças fisiológicas, e um dos órgãos que mais sofre com o avanço dos anos é a pele. Os principais problemas que podem atingir a pele na terceira idade incluem a queda na capacidade de formação de colágeno, elastina e ácido hialurônico; a diminuição das glândulas sudoríparas; e a baixa na produção de secreções por parte das glândulas sebáceas. A junção destes fatores aliados a condições externas, como a exposição solar, negligência a hidratação, tabagismo, estresse, poluição, sedentarismo, consumo exagerado de gordura e açúcares, contribuem para que a pele apresente alterações na fase idosa, como ressecamento, marcas e sinais.

Os problemas de pele que mais atingem a pessoa idosa podem abranger desde condições de menor gravidade, como as dermatites e manchas, até doenças mais graves, como o câncer de pele. A dermatite, apesar de não ser uma condição específica desta faixa etária, aparece exatamente quando a pele vai perdendo sua hidratação e oleosidade natural. Quando muito desidratada, repercute em coceiras intensas. Em alguns casos, essa situação pode levar a um processo de escoriações e infecções secundárias, pois a unha é uma região de grande contaminação bacteriana.

Oriento que o hábito da hidratação deve ser adotado desde cedo e intensificado durante o envelhecimento. Pessoas que ingerem bastante líquido no transcorrer do dia e fazem o uso constante de um bom creme hidratante terão maior facilidade em manter o aspecto saudável da pele em idades mais avançadas.

Com o passar dos anos, é muito comum nos depararmos com um outro problema, as manchas. Sejam elas escuras, brancas ou acastanhadas, todas devem ser observadas e tratadas de maneira adequada. Manchas escuras ou amarronzadas podem caracterizar casos de melanoses solares, que normalmente surgem em decorrência da exposição excessiva ao sol no decorrer dos anos. Estes tipos de manchas podem ser amenizados pelo uso diário de clareadores e protetor solar, específicos para cada tipo de pele. Elas ainda podem ser tratadas em sessões de laser e peeling.

Outro problema comum e que surge com a progressão da idade são os angiomas. Sem uma causa específica, eles se apresentam em forma de bolinhas vermelhas ou pápulas de sangue. Os sinais do angioma podem ser removidos de maneira eficaz e sem a formação de cicatrizes por meio do uso da eletrocauterização ou mesmo pela realização do shaving, que é um cortezinho cirúrgico.

As ceratoses também são manchas senis bastante recorrentes em pessoas idosas. As lesões dessa condição surgem com o passar do tempo e se dividem em duas categorias, seborreica e actínica. A primeira é caracterizada por manchas acastanhadas com casquinhas que podem atingir diversas áreas, até mesmo as que recebem pouca luz solar. Já a ceratose actínica é constituída por lesões brancas com casquinhas e possui grande relação com a exposição solar. O tratamento pode ser feito através da eletrocauterização ou por meio de outros procedimentos específicos.

Dividido entre o carcinoma basocelular, espinocelular e melanoma, o câncer de pele pode ser descoberto através de manchas e pintas na pele. Nos dois primeiros casos, os pacientes devem ficar atentos a lesões com feridas que não cicatrizam após um longo período de tempo. Dentre os três tipos, o melanoma se apresenta como o mais perigoso, pois pode causar metástase. Ele é normalmente apresentado por pintas escuras e assimétricas, com bordas irregulares ou entalhadas. Essas pintas começam pequenas e pretas, e com o tempo mudam de tamanho, forma e cor. Em algumas situações, as lesões podem coçar e sangrar. O tratamento é a retirada cirúrgica dessa lesão e uma avaliação anatomopatológico, para ver se não teve nenhum grau de comprometimento ou invasão de tecidos.

Ressalto que a avaliação geral da pele deve ser feita ao menos uma vez ao ano com o dermatologista. Avaliar suas pintas junto a um bom profissional é de suma importância para os casos de melanoma, pois o diagnóstico precoce pode significar um aumento das chances de cura.

Página 5 de 331 ...123456789... 33Próximo