Facebook Twitter Youtube Google+ Image Map
20 set 2019

Ufólogos explicam os dois lados da notícia: Invasão Área 51 e OVNIs avistados pela Marinha dos EUA

@jgreenevans

As últimas semanas renderam muitas notícias com relação aos fenômenos ufológicos, principalmente nas redes sociais. Muitos ficaram surpresos com a confirmação oficial da Marinha dos Estados Unidos – de que os  três vídeos publicados na internet, onde e possível ver objetos voadores não identificados (OVNIs), são reais.  Na semana passada, um oficial americano  disse que os tais objetos são considerados  “Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAP, na sigla em inglês). A outra notícia que está “quebrando a internet” é a “invasão da Área 51”, base ultrasecreta da Força Aérea dos EUA, local onde o governo americano estaria realizando experiências com alienígenas.  No começo, foi apenas uma “brincadirinha” de um estudante, mas o evento bombou e ganhou repercussão internacional.

“São duas notícias sobre ufologia, sendo que uma é a contraposição da outra. O lado sério é justamente o reconhecimento da Marinha Americana com relação aos “objetos aéreos não identificados”. Mas como tudo na ufologia acaba se misturando na palhaçada,  a tentativa de invasão da Área 51 é o lado espetaculoso da notícia sobre ufologia. A visita da área 51, tentativa de invasão digamos assim, é puramente movida por conspirações. É o lado mambembe da ufologia. Desde a  Primavera Árabe, as redes sociais são catalizadoras de coisas muito importantes. Precisamos lembrar que as redes sociais simplesmente mudaram a política do Brasil nos últimos seis anos, portanto influenciam todos os aspectos da nossa sociedade”, esclarece o sociólogo e ufólogo, Fábio Gomes.

O editor da Revista Ovni Pesquisa, Paulo Baraky Werner, explica que a  instalação da Área 51 pela Força Aérea dos Estados Unidos  é um destacamento remoto da Base Aérea de Edwards, dentro da Área de Teste e Treinamento de Nevada. Durante décadas, o local foi pano de fundo para teorias da existência de um depósito de naves alienígenas acidentadas, inclusive o  OVNI de Roswell, suposta queda ocorrida em julho de 1947, seria um deles. No local, o governo norte americano aplica a “engenharia reversa”, obtendo das aeronaves alienígenas tecnologias para uso militar em aviões bombardeiros (furtivos), como o da linha Stealth, aqueles que possuem um RCS (Radar Cross Section) baixíssimo. Tal aeronave é capaz de fazer essa proeza refletindo ondas eletromagnéticas ou as absorvendo, tornando-os quase imperceptíveis a radares.

“A Área 51, assim como milhares de outras instalações espalhadas por todo o globo são locais estratégicos, com soberania nacional e com padrões rígidos de segurança e privacidade. A Ufologia nada a tem a ganhar com este tipo de atitude, que transforma o estudo sério feito por uma minoria, em um ato estritamente circense. E depois que a poeira abaixar, as estranhas aeronaves continuarão a sobrevoar a região, e a Área 51 continuará com seu véu impenetrável de mistério”, argumenta.

Você deve estar logado para comentar.